99 não é 100
  • CONHEÇA O BUDISMO

99 não é 100

Dedique-se a algo que valha a pena, que renove a energia vital e que não a consuma

O que significa não poupar a própria vida?

Não poupar a própria vida é dedicar-se totalmente a alguma coisa. Mas não significa sacrifício. O presidente Ikeda orienta: “Apesar de falarmos em ‘não poupar a própria vida’, o Budismo de Nichiren Daishonin não é, de modo algum, um ensino que promove o martírio ou o autossacrifício”.


Dedicação máxima

No Budismo Nichiren, o espírito de não poupar a própria vida é dedicar-se ao máximo ao kosen-rufu, sustentado por uma determinação firme e sincera.


Todos são dedicados

O ato de dedicar a vida a alguma coisa não é exclusivo de poucas pessoas. Todos se dedicam a algo. “Dedicar” é inerente à vida. Na realidade, é o curso natural da vida. “Dedicar” significa o próprio avanço universal.


Feliz ou infeliz

O foco da dedicação determina a felicidade ou a infelicidade na vida. Então, dedicar-se a algo que não é eterno e que muda constantemente é certeza de infelicidade.


Por exemplo

Uma pessoa que se dedica unicamente à própria sobrevivência cai na armadilha da angústia. Pense num estudante que está cursando faculdade mas não tem certeza se conseguirá se formar ou não. Se conseguir se formar, ele não tem certeza se terá um emprego ou não. Uma vez que esteja trabalhando, ele não sabe se será demitido ou não. Sua vida é totalmente dedicada a questões que mudam constantemente. O resultado de uma vida assim é a angústia. E essa angústia reduz a zero a possibilidade de ser feliz.


Dois pontos importantes

Na dedicação, dois pontos são importantes e estão interligados: o objeto da dedicação e a disposição de se dedicar. É importante dedicar-se a algo que valha a pena, que renove a energia vital e que não a consuma.


Qual o segredo para conquistar os desejos?

É a máxima dedicação. Máxima dedicação significa não poupar a própria vida. É avançar continuamente. Se a pessoa deixar de dedicar-se um pouco, isso comprometerá o resultado final. Nitiren Daishonin afirma: “A jornada de Kamakura a Kyoto leva doze dias. Se parar no 11º dia, como conseguirá apreciar a lua da linda capital?”.


Não se esforce pela metade

“Por toda a minha vida, dediquei-me ao máximo em cada batalha que empreendi. Nunca me esforcei pela metade. É por isso que consegui alcançar uma longa e consecutiva lista de vitórias", diz o presidente Ikeda


O combustível

Um avanço contínuo e uma felicidade duradoura precisam de energia vital a todo momento. A pessoa pode até se dedicar a uma boa causa, mas, se não renovar a energia vital, não terá “combustível” para avançar continuamente e agirá pela metade. Portanto, o motivo da dedicação deve possuir basicamente as características de ser algo eterno, imutável e que renove a energia vital.


O foco correto

Você pode pensar: “Mas as pessoas em geral não são eternas, nem imutáveis e, pelo contrário, elas diminuem a minha energia vital. Por que servi-las seria o correto?” Ao enxergar as pessoas como mortais comuns, elas assumem tais características. Mas, ao enxergá-las como budas, a vida delas torna-se um foco correto da dedicação. Isso é kosen-rufu.


Assim, o ato de servir as pessoas com a certeza de que elas são budas faz toda a diferença. O presidente Ikeda, citando o bodisatva Jamais Desprezar, afirma: “Todos os seres vivos possuem a natureza de buda, o estado de buda. É esse estado de Buda que o bodisatva Jamais Desprezar reverencia”.


A todo instante

Kosen-rufu não é meramente fazer atividades na organização. É agir de acordo com a fé de que todos são budas em todos os momentos da vida, seja no ambiente de trabalho, religioso, familiar ou de lazer.


O budismo esclarece que dedicar-se ao kosen-rufu é um objetivo nobre, duradouro e eterno. Ao mesmo tempo, essa dedicação renova a energia vital. Por isso, quem verdadeiramente se dedica a essa causa desfruta de uma vida de felicidade absoluta e constante.


Vitória

Dedicar-se ao kosen-rufu sem poupar a própria vida significa assumir a responsabilidade pela vitória.


Por exemplo, um bloco possui determinado objetivo. Ao assumir a responsabilidade pela vitória de acordo com esse espírito, a pessoa não medirá esforços para cumpri-lo. Lutará com entusiasmo, reconhecendo o estado de buda nos companheiros e, por isso, irá incentivá-los com vigor. Por meio de sua atitude, os demais se sentirão inspirados a agir.


Ao agir com o sentimento de assumir a responsabilidade pela vitória, a pessoa está realizando a própria revolução humana e colocando o princípio da transformação cármica em funcionamento.


99 não é 100

É importante lembrar que a dedicação de não poupar a própria vida significa dedicar-se totalmente.


De qualquer maneira, esse ímpeto de força interior é algo que, na verdade, experimenta-se por meio da fé. Quando a pessoa dedica todas as energias às atividades em prol do kosen-rufu, sente uma revigorante e ilimitada alegria. Jamais deve-se praticar de forma passiva. Somente quando a pessoa pratica com o espírito de não poupar a própria vida é que ela manifesta o verdadeiro poder.



Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.077, 26 mar. 2011, p. A6
TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;