A riqueza de uma vida repleta de bons amigos
  • CONHEÇA O BUDISMO

A riqueza de uma vida repleta de bons amigos

O melhor meio para atingir o estado de buda é encontrar um bom amigo

Na parte inicial da carta Três Mestres Tripitaka Oram por Chuva, Nichiren Daishonin salienta a importância de bons amigos:

Quando uma árvore é transplantada, ainda que soprem ventos fortes, ela não tombará se estiver sustentada por uma firme estaca. Porém, até uma árvore que cresceu no mesmo local de origem poderá tombar se suas raízes forem fracas. Uma pessoa, ainda que fraca, não tropeçará se aqueles que a apoiam forem fortes; ao passo que alguém de força considerável, se estiver sozinho, poderá tombar num caminho sinuoso. (CEND, v. I, p. 625)


Isso faz muito sentido e quase ninguém contestaria a afirmação. É importante se lembrar de que os ensinamentos budistas são sempre expressões de razão que todos podem compreender. Mesmo aqueles que ainda são iniciantes na prática budista e carecem de uma fé sólida poderão permanecer no caminho correto para atingir o estado de buda se possuírem apoio. Por outro lado, até aqueles que consideram ter uma fé forte terão dificuldade de manter a firmeza e continuidade no caminho correto se enfrentarem sozinhos as adversidades, sem amparo de ninguém, fustigados pelos ventos dos “três obstáculos e quatro maldades”. Por essa razão, necessitamos de companheiros, de bons amigos e da organização para nos apoiar em nossa fé e na prática.


Naturalmente, a consecução do estado de buda está atrelada à nossa própria prática budista e aos nossos esforços. Cada um de nós deve ter a disposição de se levantar sozinho e realizar progressos sem depender de ninguém. Entretanto, a organização e os membros são importantes para nos encorajar e inspirar nossa prática individual. Eles desempenham papel de suporte em nossa busca pessoal para alcançar o estado de buda — tal suporte é absolutamente imprescindível.

Na mesma carta, Daishonin aponta: “Por isso, o melhor meio para atingir o estado de buda é encontrar um bom amigo. Até onde nossa sabedoria pode nos levar? Se possuímos sabedoria suficiente para distinguir o quente do frio, deveríamos procurar um bom amigo” (Ibidem).


O caminho do buda é infinitamente profundo, e a sabedoria do buda, insondável. Em contrapartida, por mais inteligentes que os seres humanos possam ser, sua sabedoria é limitada. Por isso, caso desejemos atingir o estado de buda, devemos nos aliar a bons e verdadeiros amigos na fé. O apoio deles nos permite avançar corretamente no caminho da iluminação.


“Até onde nossa sabedoria pode nos levar?” (Ibidem) — questiona Daishonin. Nem os maiores cientistas ou médicos possuem sabedoria para compreender a natureza real da própria vida ou o caminho para solucionar os problemas fundamentais da existência humana. Ser líder político poderoso ou bilionário não significa conhecer o caminho para alcançar a felicidade absoluta.


Apesar disso, tendemos a confiar em nossa escassa sabedoria e a perder a humildade de demonstrar o espírito de procura pelo caminho. Esta é a causa da infelicidade.


Nem conhecimento nem riqueza, tampouco posição social ou fama garantem a felicidade. Embora essas palavras tragam uma mensagem que parece óbvia, pouquíssimas pessoas consideram com seriedade e atenção essa dura realidade. No entanto, esse simples fato é a razão pela qual devemos nos voltar sinceramente para a prática do budismo, que revela o caminho para a verdadeira felicidade humana.


Buscar o budismo significa em termos concretos buscar excelentes bons amigos. Como Daishonin declara, “O melhor meio para atingir o estado de buda é encontrar um bom amigo” (Ibidem).

Bom amigo”, no budismo, representa “boa influência incorporada por uma pessoa que leva alguém a se lançar ao caminho do buda”. Pessoas virtuosas, honestas e verdadeiras, que guiam outros a uma direção positiva e os habilitam a praticar o budismo, exercem a função de bons amigos, sejam elas budas, bodisatvas, praticantes dos dois veículos, seres celestiais ou seres humanos. Nós também, obviamente, podemos agir como maravilhosos bons amigos uns dos outros.


Bons amigos atuam de vários modos: apoiam os seguidores do budismo e os habilitam a praticar com segurança e paz de espírito; empenham-se lado a lado, de modo que um possa auxiliar o outro a aprimorar a própria vida por meio do apoio e inspiração mútuos­; além disso, ensinam aos demais as doutrinas e os princípios budistas, direcionando-os para o caminho da ação correta.


Todos vocês, líderes de nosso movimento, são bons amigos, pessoas virtuosas que estão guiando os outros ao kosen-rufu, ao Gohonzon, à Lei Mística e à consecução do estado de buda, incentivando-os a fazer o gongyo, a participar das reuniões e a ler os escritos de Nichiren Daishonin.


A Soka Gakkai é formada por bons amigos, uma organização para promover a fé e a prática do budismo e para expandir e desenvolver o kosen-rufu. Possui a importante missão de conduzir pessoas do mundo todo ao ensinamento correto do budismo e de guiá-las ao caminho do estado de buda.


Fonte: Brasil Seikyo, Edição 2366, 08 abr 2017/ Encontro com o Mestre


TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;