Como transformar veneno em remédio?
  • CONHEÇA O BUDISMO

Como transformar veneno em remédio?

“Quem recita Nam-myoho-renge-kyo não tem medo de nada porque não há o que temer”

Conheça o poderoso princípio budista segundo o qual o veneno (sofrimento, medo da morte provocado pela doença, morte, problema de relacionamento, insatisfação, frustração por não conseguir o que quer, ansiedade pelo futuro, pavor de que o carma vai se manifestar, culpa pelo passado etc.) se transforma em remédio (felicidade agora).


O princípio budista “transformação de veneno em remédio” (hendoku iyaku, em jap.) significa que os desejos mundanos e sofrimentos podem ser transformados em benefícios e iluminação por causa da virtude do poder da Lei Mística. O Sutra do Lótus é comparado a um grande médico e daí essa imagem da capacidade de transformar veneno em remédio. Nichiren Daishonin ensina que qualquer problema pode ser transformado em grande felicidade e realização.


Vamos examinar a seguinte orientação do presidente Ikeda:

“Em termos práticos, ‘transformação de veneno em remédio’ é um importante princípio que direciona a vida das pessoas que abraçam o Gohonzon para um rumo positivo e otimista por meio da sincera prática da fé. Em especial, nos momentos de maior sofrimento, a determinação e a oração de ‘transformar veneno em remédio’ são, sem dúvida, os ingredientes indispensáveis para a conquista da vitória e da felicidade na vida”.

Em outras palavras: O momento de maior sofrimento, quando tudo parece não ter solução é o exato instante de se convencer de que há, sim, solução.

A questão não é o tamanho da dificuldade, mas o fato de ela apavorar e iludir tentando nos convencer de que não há alternativa. Sempre há solução. Todo veneno contém, nele mesmo, o remédio. O que converte imediatamente o veneno (sofrimento) em remédio (esperança e coragem) é o Nam-myoho-renge-kyo recitado com entusiasmo de que todo veneno vira remédio quando se recita daimoku ao Gohonzon.


Quando seu mundo mental está conduzindo você a “abraçar” a negatividade e nela fazer morada, reaja!

Reagir não é correr nem se afastar daquela “odiosa realidade”, muito menos tentar fingir que a negatividade não existe. Esse tipo de comportamento cria uma divisão de forças na mente e piora ainda mais a situação porque enfraquece e mina a disposição.


O presidente Ikeda ensina: “Desde que exista fé, é possível transformar tudo em algo valoroso e significativo. Não existem impasses para quem pratica o budismo. ‘É o daimoku! Basta recitar daimoku!’; ‘É tudo única e exclusivamente pelo kosen-rufu!’ — ter essa determinação ardente e ação apaixonada é a força que abre os caminhos na escuridão da noite”.

Não há necessidade de fugir das dificuldades. A melhor estratégia é convertê-las em energia vital e boa sorte.


Recitando com entusiasmo o Nam-myoho-renge-kyo disposto a vencer, hoje, em cada tarefa. Faça essa confiança impactar cada passo ao longo do dia. O presidente Ikeda afirma: “Enquanto viver, existirão infindáveis sofrimentos e desafios como a doença, a morte, os problemas de relacionamentos, as insatisfações por não obter aquilo que se deseja etc. Não há como fugir deles. São realidades inexoráveis da vida. A prática da fé, o daimoku, é a força que realiza infalivelmente a ‘transformação de veneno em remédio’. O sofrimento do ‘veneno’ transforma-se no remédio chamado ‘felicidade’. Os problemas transformam-se em fonte de iluminação e felicidade”.


Quanto maior o desafio, maior a lenha e mais alta a chama. Quanto mais se avança “para cima do problema” munido de daimoku, maior o brilho da fé e mais pessoas se inspiram em você, criando uma espiral de positividade que muda vidas, muda realidades e transforma o mundo. E, quem diria, o gatilho de tudo isso são as dificuldades. E você, querendo correr delas!

No momento crucial, proclame: “Chegou minha vez de vencer!”


O ponto mais importante para o budismo é a vitória final, ou seja, o triunfo interior no momento presente. Mesmo coisas negativas (veneno) tornam-se cura na vida de uma pessoa com forte energia vital. O presidente Ikeda cita: “Na verdade, não há uma distinção clara entre o veneno e o remédio, pois a mesma substância pode agir tanto como veneno quanto como remédio, dependendo da dosagem e da energia individual das pessoas que a ingerem. Há casos de remédios que são descritos como ‘venenos que curam vidas’.

De forma semelhante, não há uma diferença clara e definida entre o que agirá como veneno ou como remédio quando nos referimos às vitórias ou às derrotas da vida. O que importa é ser vitorioso na fé. Esta é a nossa verdadeira vitória como seres humanos.



Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.325, 28 maio 2016, p. C2 e C3

TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;