Cultive uma mente de fé
  • CONHEÇA O BUDISMO

Cultive uma mente de fé

Praticamos a fé para desfrutar a vida ao máximo e para tornar nossa existência a mais feliz de todas

Praticamos a fé para desfrutar a vida ao máximo e para tornar nossa existência a mais feliz de todas.

Em qualquer caso, o fato de nos sentirmos felizes ou infelizes depende de nós próprios. Se não transformarmos nosso estado de vida, nunca conseguiremos sentir a verdadeira felicidade. Mas quando realmente mudamos nossa condição interior, o mundo se transforma. A recitação do daimoku é o meio fundamental para tal transformação interior.


Em épocas de sofrimento, recite daimoku. Em horas alegres, recite daimoku. Poder realizar a prática é um motivo de felicidade. Na vida, sempre há situações alegres e tristes. Todas essas cenas são insubstituíveis na epopeia da vida. Se não houvesse sofrimento, como a alegria poderia ser valorizada? Sem conhecer o sabor da tristeza e do regozijo, a vida jamais poderia ser desfrutada em toda a sua plenitude.


Experimentar a “ilimitada alegria da Lei” significa saborear plenamente a Lei Mística, eternamente imutável, e desfrutar a força e a sabedoria originadas nessa Lei.


Em oposição a essa alegria, está a “alegria que se origina da concretização de vários tipos de desejos”. Apesar de parecer verdadeira, tal alegria é apenas passageira e superficial, pois não surge das profundezas da vida e logo se transforma em insatisfação e infelicidade.


A fé nos permite experimentar a alegria eterna proveniente da Lei. Vamos gravar em nosso coração que somos nós mesmos que manifestamos essa alegria. Por isso, nossa felicidade não depende de outras pessoas. Ninguém mais pode nos fazer felizes; somente por meio de nossos próprios esforços é que podemos conquistar a felicidade.


Além disso, a fé existe essencialmente para o nosso próprio benefício, não para os outros. Apesar de certamente praticarmos para nós mesmos, para os outros e para concretizarmos o kosen-rufu, basicamente somos nós os principais beneficiados de toda nossa dedicação na fé. Tudo se reverte em fonte para o próprio crescimento e contribui para aprimorarmos a condição de vida e para estabelecermos o estado de buda em nossa vida, a condição de suprema felicidade.


A chave para desenvolver o estado de buda encontra-se em manifestar tal força interior que nos permita observar tudo ao nosso redor sob uma perspectiva elevada, numa condição de suprema felicidade. E, conforme Daishonin afirma, recitar o daimoku constantemente é o que nos permite desenvolver a condição de buda.


A boa sorte e os benefícios que acumulamos nas profundezas de nossa vida tornam-se visíveis no plano material e também em nosso ambiente. A mente de fé — que é invisível — influencia nosso corpo e nossa mente, nossa vida e nosso ambiente, direcionando tudo com imenso poder e força para o melhor caminho: para a felicidade e a conquista de todos os nossos desejos.


Na vida existe tanto sofrimento como alegria, mas o importante é cultivar uma identidade profunda e invencível que não se deixe influenciar. Consegue-se viver assim quando se recebe “a ilimitada alegria da Lei”.


O buda Nichiren Daishonin afirmou: “Fortaleça a sua fé mais do que nunca”. Não interessa o que se fez no passado, o que conta é o que se faz a partir de agora. Tudo se resume à força de nossa fé. A fé é a força; a fé é o maior poder que o ser humano possui.

De acordo com a força da nossa fé e da nossa prática, recebemos a força do Buda e a força da Lei que estão incorporados no Gohonzon. A fé é a “arte secreta” para fazer nossa vida transbordar com a mesma força que pulsa no universo.



Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.042, 03 jul. 2010, p. A5

TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;