General Tigre de Pedra
  • CONTOS & PARÁBOLAS

General Tigre de Pedra

Em virtude de um grande feito, Li Kuang ficou conhecido como "General Tigre de Pedra"

Durante a Dinastia Han, na China, houve um corajoso e hábil arqueiro chamado Li Kuang, cuja mãe fora morta por um tigre feroz. Decidido a vingar-se, dia e noite, ele caçou a fera pela floresta.


Então, numa noite enlurada, o arqueiro achou que sua busca havia terminado, quando avistou o tigre agachado entre duas árvores. Rapidamente, mirou bem no coração do tigre e atirou. A flecha atingiu seu alvo e Li Kuang ficou exultante. Mas, ao se aproximar, viu que não havia atingido o tigre, mas uma rocha!


Perplexo, Li Kuang tentou remover a flecha da pedra, mas não conseguiu. Tentou então repetir a façanha, atirando várias flechas contra a rocha, mas nenhuma delas conseguiu penetrá-la.


Refletindo sobre esse acontecimeto, Li Kuang concluiu: "Por ter acreditado que poderia matar o tigre, minha flecha perfurou a rocha, e fui capaz de realizar esse feito extraordinário. Mas, mesmo que eu tivesse matado o tigre de verdade, não poderia trazer minha mãe de volta a vida." Envolto aos seus pensamentos, Li Kuang retornou ao vilarejo.


Quando os moradores souberam da história do arqueiro, elogiaram sua grande coragem e força.

Em virtude de seu grande feito, quando Li Kuang tornou-se general, ficou conhecido como "General Tigre de Pedra".


Nichiren Daishonin conta a história de Li Kuang em várias de seus escritos para exemplificar uma passagem do oitavo volume do Grande Concentração e Discernimento (Maka Shikan), do estudioso do budismo, Tiantai e do oitavo volume de Anotações sobre o Maka Shikan (Maka Shikan Bugyoden Guketsu) do também estudioso do budismo, Miaole que diz: "Quanto mais forte a fé, maior a proteção dos deuses" Ou seja, a ação das funções protetoras do universo depende da força da fé da pessoa.


Daishonin explica que o Sutra do Lótus é uma espada poderosa. Entretanto, sua força depende daquele que a empunha.


Fonte: 
Terceira Civilização, ed. 421, 1 set. 2003, p. 15
TAGS:CONTOS & PARÁBOLAS

• comentários •

;