Mudanças? Não espere a dos outros
  • CONHEÇA O BUDISMO

Mudanças? Não espere a dos outros

Em vez de esperar a mudança de alguém, mude a si mesmo!

O coração humano está em constante transformação. De momento a momento, nosso estado de vida muda e sentimos diferentes emoções — alegria, tristeza, ira e dor.


A vida também está cheia de mudanças. É por isso que por mais que a época mude, por incontáveis séculos e milênios, a humanidade tem ponderado sobre uma questão fundamental: qual o melhor e mais seguro caminho para a felicidade duradoura.


Não podemos definir a felicidade como um estado de vida estático e igual para todos. Mesmo que haja duas pessoas nas mesmas condições, uma pode ser feliz e a outra, infeliz. As pessoas são diferentes, e por isso percebem as coisas de formas distintas. A realidade de nossa vida toma formas infinitas. É muito comum a pessoa buscar a felicidade numa condição externa ou acreditar que sua vitória e bem-estar dependam da mudança de alguém. “Sou infeliz por causa daquela pessoa”, “Minha vida está de mal a pior porque existem aqueles indivíduos” — alguns chegam a pensar dessa maneira.


De acordo com o Budismo de Nichiren Daishonin, felicidade absoluta pode ser conquistada por meio de uma força interior capaz de transformar toda realidade, por mais adversa que ela seja, numa vida feliz e tranquila.


O Budismo de Nichiren Daishonin permite que cada um atinja o estado de buda nesta existência.


E o que significa atingir o estado de buda ou iluminação?

Shakyamuni, fundador histórico do budismo, tornou-se conhecido na sua época como Buda por causa de sua habilidade em compreender o sofrimento das pessoas, de mostrar que elas possuíam recursos internos para superar seus problemas e despertá-las para uma visão maior de si mesmas e de suas possibilidades. Seu elevado caráter era uma profunda inspiração para todos. Entretanto, ao longo do tempo, o ideal do estado de buda, mostrado no exemplo de vida de Shakyamuni, tornou-se cada vez mais abstrato e distante.Aparentemente, um abismo intransponível foi desenvolvido entre o Buda e as pessoas comuns, assim como o Buda passou a ser visto como um ser de outro mundo.


Embora o objetivo do ensinamento de Shakyamuni tenha sido, conforme suas palavras contidas no Sutra do Lótus, “fazer todos os seres iguais a mim”, em algumas escolas do budismo ele passou a ser considerado um ser único e o objetivo dessa prática religiosa tornou-se atingir os estados de iluminação menos completos que o estado de buda. Para outras, o estado de buda passou a ser visto como uma meta extremamente distante que requer muito tempo de vida e esforço, algo fora da capacidade de todas as pessoas.


Discípulos do Buda

No Budismo de Nichiren Daishonin, o estado de buda não é um ponto final estático atingido eventualmente — não se torna buda em algum momento futuro, distante da realidade. Pelo contrário, as qualidades de buda são consideradas como algo natural inerentes em todas as pessoas. A prática budista é para manifestar essas qualidades, que poderiam ser resumidas em benevolência, sabedoria, coragem, esperança e força vital criativa em meio à realidade desafiadora do dia a dia.


E o que permite às pessoas manifestar um estado de buda cada vez mais consistente é a prática de bodisatva da terra, em outras palavras, a prática para si e a prática para os outros. Nos sutras mahaiana, bodisatvas da terra são discípulos do Buda, descritos como os que se devotavam à prática budista, aprendendo e seguindo os exemplos do Buda. Por meio da prática individual e rica experiência de vida, eles desenvolveram muitas qualidades e características maravilhosas que empregaram para ajudar às pessoas que sofriam com determinados tipos de problema.


Nos dias de hoje, percebemos essas mesmas características nos membros da BSGI que se devotam diariamente pela vitória e sucesso de seus companheiros e de toda sociedade, mesmo em meio às dificuldades e à dura realidade diária. “O inverno nunca falha em se tornar primavera” — esse dito dourado do buda Nichiren Daishonin, em muitas ocasiões, se transforma no incentivo primordial para desafiar as adversidades e conquistar a vitória infalível.


Um compromisso fervoroso

Para aqueles que se deparam com a doença, a prática budista com o objetivo de comprovar a verdade da Lei e tornar a sua vida em um drama de vitória e superação torna-se o exemplo e a referência para a glória e a felicidade de muitos outros.


Os bodisatvas da terra são aqueles que escolhem desafiar as mais difíceis circunstâncias para vencer tendo como base a Lei Mística e, assim, salvar as pessoas do sofrimento. São essas características — coragem, esperança, compaixão e força interior — dos bodisatvas da terra que simbolizam as ricas qualidades de buda inerentes à vida de todas as pessoas, assim como as ilimitadas formas que podem vir a se manifestar.


A prática de bodisatva é um compromisso fervoroso com o próprio desenvolvimento enquanto se procura ao mesmo tempo aliviar o sofrimento de outros e trazer a felicidade e o benefício para eles.


O modelo de bodisatva estabelece uma ponte real entre o ideal do estado de buda e nossa vida no dia a dia. Isso porque, em última análise, o modo de vida do bodisativa é o modo de vida do próprio Buda.


A vida do Buda era ao mesmo tempo uma forma de contínuo autodesenvolvimento e de compromisso rigoroso com as pessoas e seus problemas. Esse compromisso era baseado na profunda convicção da dignidade da vida de cada indivíduo. Um buda é aquele que se esforça continuamente para despertar as pessoas para a fé em sua capacidade inerente de superar qualquer dificuldade, que as inspira a usar os desafios e o sofrimento como um trampolim para desenvolver essa força e atingir uma felicidade inabalável.


Por fim, é por meio da nossa interação e de nossos esforços para ajudar os outros e das orientações do mestre da vida e ao lado dos companheiros da BSGI que compartilham o mesmo ideal do kosen-rufu que somos capazes de trazer a condição de vida do Buda, para levar nossa vida à ilimitada e radiante ‘órbita’ do estado de buda. Como o presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, descreve: “Realizar ações para o bem dos outros fortalece, desenvolve e solidifica o estado de buda em nossa própria vida. Quando o nosso estado de buda é fortalecido, podemos inspirar a vida das pessoas em um nível mais profundo. O caminho real da nossa revolução humana reside nesse processo contínuo de desenvolvimento de nós mesmos e de ajudar os outros a fazer o mesmo”. Portanto, em vez de esperar a mudança de alguém, mude a si mesmo, trilhando o caminho direto para a sua felicidade. Agir como um bodisatva da terra manifestando o comportamento de um buda é a própria prática para tornar-se buda e ser infinitamente feliz.


Fonte:
Brasil Seikyo,
ed. 2.233, 28 jun. 2014, p. A3
TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;