O significado de bodisatva
  • CONHEÇA O BUDISMO

O significado de bodisatva

Texto extraído e adaptado do artigo do presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, publicado na revista SGI Quarterly.1

Certamente, a cidadania global não é determinada apenas pelo número de idiomas falados ou pelo número de países viajados. Tenho muitos amigos que poderiam ser considerados cidadãos bastante comuns, mas que possuem uma nobreza interior, os quais nunca viajaram além de sua terra natal, porém estão genuinamente preocupados com a paz e a prosperidade do mundo.

Acho que posso afirmar com confiança que os seguintes elementos são os essenciais da cidadania global:

· A sabedoria para perceber a inter-relação de toda a vida e seres vivos.

· A coragem de não temer ou negar as diferenças, mas respeitar e se esforçar para compreender as pessoas de diferentes culturas e crescer a partir de encontros com elas.

· A compaixão para manter uma empatia inventiva que alcance além de seus círculos e se estenda àqueles que sofrem em lugares distantes.

A inter-relação de tudo e de todos, que forma a essência da visão budista do mundo, pode fornecer uma base, acredito, para a realização concreta dessas qualidades de sabedoria, coragem e compaixão. A seguinte parábola do cânone budista nos oferece uma bela metáfora visual para a interdependência e interpenetração de todos os fenômenos.

Suspensa acima do palácio de Indra, o deus budista que simboliza as forças naturais, que protegem e nutrem a vida, está uma enorme rede. Uma joia brilhante está incrustada em cada um dos nós da rede. Cada joia contém e reflete a imagem de todas as outras joias da rede, que brilha na magnificência de sua totalidade.

Quando aprendemos a reconhecer o que [Henry David] Thoreau se refere como “a extensão infinita das nossas relações”, podemos traçar os fios de apoio mútuo da teia da vida e descobrir ali as joias brilhantes dos nossos vizinhos globais. O budismo procura cultivar a sabedoria fundamentada na empatia que ressoa com todas as formas de vida.

Na visão budista, sabedoria e compaixão estão intimamente ligadas e se reforçam mutuamente. Além disso, é o desejo compassivo para encontrar formas de contribuir para o bem-estar dos outros que dá origem à sabedoria ilimitada.

O budismo ensina que o bem e o mal são potencialidades que existem em todas as pessoas. Compaixão consiste no esforço permanente e corajoso para procurar o bem em qualquer pessoa, quem quer que seja, não obstante como possam se comportar. Isso significa esforço, por meio do engajamento permanente, para cultivar as qualidades positivas em si mesmo e nos outros. No entanto, engajamento requer coragem. Há muitos casos em que a compaixão, devido à falta de coragem, permanece mero sentimento.

O budismo chama uma pessoa que encarna essas qualidades de sabedoria, coragem e compaixão, quem se esforça sem cessar pela felicidade dos outros, de bodisatva. Nesse sentido, pode-se dizer que o bodisatva oferece um precedente antigo e exemplar moderno do cidadão global.

Notas:

1. IKEDA, Daisaku. Cidadania Global, Traçando a Extensão Infinita de Nossas Relações. InSGI QuarterlyUm Fórum Budista pela Paz, Cultura e Educação, jan. 2016. p. 18-19. Disponível em: http://www.bsgi.org.br/media/sgi_quarterly/pdfs/2016_01.pdf. Acesso em: 19 mar. 2020. 

TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;