• CONHEÇA O BUDISMO

Transmitir palavras ternas e gentis

Levar alegria para as pessoas é uma habilidade do Buda

Benevolência ilimitada

Trecho do Sutra do Lótus: “Shari hotsu. Nyorai no. Shuju fun betsu. Gyo ses sho ho. Gon ji nyu nan. Ek-ka shu shin. Shari hotsu. Shu yo gon shi. Mu ryo mu hen. Mi zo u ho. Bu shitsu jo ju”.


Tradução: “Sharihotsu, o Buda é aquele que sabe como discernir e expor os ensinamentos habilmente. Suas palavras são ternas e gentis e podem alegrar o coração das pessoas. Sharihotsu, em síntese: o Buda compreendeu perfeitamente a Lei ilimitada, infinita e nunca antes revelada”.


Nesta passagem, Shakyamuni continua enaltecendo a imensa sabedoria do Buda. Ele afirma que por ser dotado da “Lei ilimitada, infinita e nunca antes revelada”, pôde expor habilmente seus ensinos de acordo com a capacidade, compreensão e as circunstâncias das pessoas e alegrá-las com “palavras ternas e gentis”. Isso indica a vastidão da Lei inigualável para a qual ele se iluminou.


Pela terceira vez, no capítulo “Meios”, Shakyamuni se refere à “Lei nunca antes revelada”. Qual a razão disso?

O presidente da SGI, Daisaku Ikeda, explica que Sharihotsu [estudioso discípulo do Buda] e os demais homens de erudição e absorção não podiam compreender o profundo e imensurável ensinamento exposto no Sutra do Lótus enquanto estivessem satisfeitos com sua sabedoria superficial. Por isso, Shakyamuni repete diversas vezes o quanto a sabedoria do Buda é maravilhosa. Essa atitude de Shakyamuni revela sua ilimitada benevolência e paciência.


Palavras ternas e gentis

As palavras do Buda são “ternas e gentis e podem alegrar o coração das pessoas”. “Ternas e gentis” não significam simplesmente cortesia, ou apenas o desejo de agradar. São palavras comoventes que tocam o coração, que expressam compreensão dos sentimentos dos outros.


O Buda Nichiren Daishonin observa: “Mesmo que uma pessoa recorra a palavras ásperas, se tais palavras ajudarem a quem forem dirigidas, são dignas de ser consideradas como palavras honestas e amáveis. Da mesma forma, mesmo que se empregue palavras brandas, se elas prejudicarem a quem forem dirigidas, serão na verdade palavras enganadoras e ásperas”.


As “palavras ternas e gentis” são aquelas ditas com boas intenções, sinceras, sérias e corretas. Elas transmitem claramente o que a pessoa quer dizer.


Quando se ensina o Budismo Nichiren a uma outra, emprega-se “palavras gentis e ternas” e alegra-se o coração dela, conforme explica o presidente Ikeda: “Dificilmente, uma pessoa que ouve pela primeira vez o Nam-myoho-renge-kyo compreende de imediato a grandiosidade deste budismo ou sente uma alegria genuína. Porém, com o tempo, todas podem obter uma alegria insuperável por meio deste ensino. Elas podem atingir a ‘maior das alegrias’. Nesse sentido, a Lei Mística é o ensinamento que pode realmente ‘alegrar o coração das pessoas’. Do ponto de vista do Budismo de Nichiren Daishonin, esta passagem significa que por intermédio do benefício do Gohonzon nossa vida torna-se repleta de alegria”.


Alegria no coração

Uma vida repleta de alegria não quer dizer que há ausência de sofrimento, pois a tristeza ou os aborrecimentos fazem parte da vida, independentemente de se ter fé no Gohonzon. Mas, com uma fé sincera pode-se transformar qualquer adversidade em grande alegria: “Considere tanto o sofrimento como a alegria como fatos da vida e continue orando o Nam-myoho-renge-kyo”.


Para que as pessoas compreendessem o poder do Gohonzon e a profundidade do Nam-myoho-renge-kyo revelado por ele, Nichiren Daishonin utilizou diversos recursos de acordo com a capacidade de seus discípulos e da condição de vida deles. Encorajou-os a fortalecerem sua fé diante das perseguições e dificuldades e abraçou aqueles que estavam sofrendo com uma compaixão tão ilimitada quanto o oceano.


Utilizando “palavras ternas e gentis”, ele os conduziu à felicidade. Seus escritos mostram claramente seu calor humano, sua benevolência e rigorosidade. Daishonin era hábil em transmitir seu ensino de modo que todos compreendessem a incomparável lei do Nam-myoho-renge-kyo.


Segundo o presidente Ikeda, aquele que ora sinceramente ao Gohonzon desenvolverá a habilidade para realizar o shakubuku e a sabedoria para lidar da melhor forma com os acontecimentos da vida diária. Ao incentivarmos alguém a praticar o Budismo de Nichiren Daishonin por meio de “palavras ternas e gentis”, lhes proporcionamos alegria no coração. Do mesmo modo, quando nossa vida é adornada de benefícios manifestados pela fé no Gohonzon, Daishonin propicia “alegria em nosso coração”.


Fonte:
Brasil Seikyo, ed. 1.888, 21 abr. 2007, p. A7
TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;