“Xô, lamentação”
  • CONHEÇA O BUDISMO

“Xô, lamentação”

O presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, disse certa vez: “A lamentação apaga a boa sorte e o sentimento de gratidão aumenta ainda mais a boa fortuna. Em vez de se queixar, mude a si mesmo. Sem falta os caminhos vão se abrir a partir daí!”


A nossa prática diária nos fortalece e faz com que possamos desfrutar de uma nova vida. A força da fé nos proporciona a força para superar e sobreviver a qualquer tempestade. Ser capaz de perseverar é a essência de um Buda.


Um outro nome do Buda é “Aquele que pode tolerar” (Nonin). Em outras palavras, é uma pessoa capaz de suportar qualquer dificuldade. Não existe alguém mais forte do que aquele que nada teme, que não é derrotado por nada, que é capaz de suportar o sofrimento sem a menor lamentação — mesmo que seja perseguido ou aprisionado. A história prova que os que vivem e empenham-se com elevada dignidade, destemidos diante de qualquer intimidação, são os que desfrutam a vitória final. Consequentemente, a força para resistir, não importando o que aconteça, a força para viver e sobreviver em meio a qualquer adversidade, é a base da suprema felicidade para os seres humanos. Isso corresponde ao estado de Buda.


Quando Shijo Kingo enfrentava inúmeras dificuldades, como a perseguição de seus colegas de trabalho e a iminência de perder suas terras, Nichiren Daishonin o incentivou a não lamentar. “Não lamente aos outros sobre quão difícil é para o senhor viver neste mundo. Agir assim é uma atitude totalmente imprópria para um homem digno” (WND, v. 1, p. 850).

Sobre essa passagem, o presidente Ikeda afirma que, ao reclamar, a pessoa não pode ser considerada sábia, mas, sim, tola. Ainda diz ainda que lamentar é a causa para a estagnação. Nichiren Daishonin ensinou a Shijo Kingo que, quando parasse de reclamar, conquistaria a revolução humana


O presidente Ikeda também afirma: “Dizem que o cérebro humano possui bilhões de células. Cada uma dessas células está ligada às outras por fibras nervosas, ou ‘fios’, criando uma rede complexa. Mas essa rede não está conectada no nascimento. Vocês conectam as células e constroem a rede por seus esforços”. Uma pessoa evolui à medida que novos “fios” são formados no cérebro. Por isso, o maior inimigo do cérebro é o pensamento de que “Não consigo fazer”. O pessimismo e a lamentação travam o cérebro. Quando você desiste, a tentativa do cérebro de estabelecer uma nova conexão é interrompida. “Não consigo fazer” limita o potencial do próprio cérebro”.



 

Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.300, 21 nov.2015, p.A1, Terceira Civilização, ed. 2.111, 10 dez. 2011, p. 14, Terceira Civilização, ed. 520, 10 dez. 2011, p. 26.

TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;