A educação musical é um ponto básico para proteger a humanidade
  • DIÁLOGOS

A educação musical é um ponto básico para proteger a humanidade

Trechos do diálogo de Daisaku Ikeda com a soprano austríaca Dra. Jutta Unkart-Seifert

Presidente Ikeda: O poeta do povo, o americano Walt Whitman (1819–1892), escreveu: “Praticamente todas as coisas que chamamos de ‘elegante’ ou de ‘requinte’ surgem do coração humano”. “Difundir a música entre jovens de forma ampla será inimaginavelmente útil para treinar o coração e as boas maneiras”.


Dra. Seifert: Na Áustria, a educação musical é ministrada na escola de ensino fundamental 1 que atende crianças de 6 a 10 anos, de acordo com a musicalidade do professor.

Uma educação especial em música só é dada na escola de ensino fundamental especializada em música. Quando a criança ingressa no ensino fundamental 2, para alunos de 11 a 14 anos, terá pela primeira vez a música como matéria obrigatória. Contudo, não passam de algumas horas semanais e as crianças interessadas em música têm de se esforçar para ingressar num curso extracurricular musical. E, por vezes, isso acarreta um custo muito elevado para a família e, pior, como o número de escolas de música voltadas para o ensino fundamental é restrito, as vagas também são limitadas.

Além disso, devido à redução orçamentária do governo, parece-me que a contratação de professores de música também é mínima. Todos esses fatos foram motivos para se fundar a Iniciativa Cultural Europeia para a Geração Jovem.


Pres. Ikeda: Proteger a cultura significa proteger a humanidade. Por outro lado, cultivar a cultura cria amor e paz no coração humano.

Constatei, mediante pesquisa, que há uma longa história relacionada à música entre a Áustria e o Japão. Por exemplo, Nobu Koda (1870–1946) educadora musical, irmã do escritor japonês muito famoso da era Meiji (1868–1912) Rohan Koda (1867–1947), viajou para a Áustria em 1890 a fim de estudar violino, piano e composição musical. Ela se tornou especialista na arte de tocar violino chegando a fazer uma apresentação de Chacona da Partita para violino solo, conhecida como Sonata e Partitas para violino solo, obra de Johann Sebastian Bach. Ela ficou impressionada com a difusão da música nos lares austríacos. Por isso, ao retornar para o Japão, dedicou-se à educação musical para crianças e jovens, além da educação especializada para músicos.

Creio que todos os países, em maior ou em menor escala, enfrentam o problema de preparar o ambiente propício para promover a educação musical em toda a sociedade. Reitero meu respeito à senhora e a todas as pessoas que atuam persistentemente na luta para o desenvolvimento da capital da música.

Fundei a Associação de Concertos Min-On no outono de 1963 com o forte desejo de “levar arte de primeira categoria ao alcance de todos”, porque arte não deve ser restrita a uma população específica ou depender de renda familiar.

Antecedendo à criação da Associação Min-On, eu disse: vamos criar um local para que o povo possa ir de “chinelo” apreciar concertos de primeira categoria. Muitos artistas e músicos concordaram com a minha ideia e me apoiaram. Com o empenho de todos, a associação comemorou cinquenta anos de fundação em outubro de 2013, e mais de 110 milhões de pessoas apreciaram algum tipo de arte promovido por ela.


Dra. Seifert: Quando fundei a Iniciativa Cultural Europeia para a Geração Jovem, acreditava que meu objetivo seria atingido imediatamente com a execução do plano em ação. Após quinze anos de experiência, vejo que nem todas as sementes brotaram, mas ficarei imensamente feliz se encontrar um taxista que esteja apreciando um programa de músicas clássicas no rádio. Acho que daria uma gorda gorjeta.

Na realidade, difundir a música clássica é um árduo caminho. Diferentemente do passado, a atual Europa vive momentos de crise econômica e o corte no orçamento da área cultural e da arte acontece em primeiro lugar em todos os países. Com isso, muitos artistas ficam sem recurso para alugar teatros e locais para concertos. Portanto, ofereço espaço em minha casa, que comporta arquibancada de cano de ferro para setenta pessoas, para a realização de concertos, e também uma refeição feita por mim. É gratificante preparar comida para um grande número de pessoas.


Pres. Ikeda: Creio que seja um incentivo muito grande para os jovens artistas. Embora enfrentem momentos difíceis, a compreensão e o apoio dos veteranos lhes dão muita força e coragem.

A alimentação transmite ao coração o verdadeiro sentimento de quem a oferece. Alexandre Dumas recebia seus convidados com uma refeição preparada por ele a que chamou de “culinária de arte”.

Tenho certeza de que os jovens artistas jamais esquecerão o sabor dos pratos preparados pela senhora.

Com o intuito de contribuir na difusão da música, a Associação de Concertos Min-On vem patrocinando o Concurso Internacional de Música de Tóquio para regentes, que acontece a cada três anos desde 1967. Atualmente é o maior evento já realizado no continente asiático e é conhecido como a porta de acesso para os jovens regentes. A 16a edição foi realizada em 2012 com a inscrição de 180 pessoas. O corpo de jurados é composto por músicos de primeira categoria. Quero continuar investindo nessas realizações.


Dra. Seifert: Que oportunidade extraordinária! Além de realizar eventos direcionados aos jovens artistas, é muito importante convidar pessoas com potencial para apoiá-los continuamente no futuro.


Pres. Ikeda: A pessoa que age com responsabilidade em prol do futuro e cria os jovens tem um coração jovial e está sempre radiante.

Nós, membros da Soka Gakkai, sempre tivemos a música como nossa companheira e avançamos juntos dela. As bandas masculina e feminina foram instituídas por mim com o apoio incondicional de meu venerado mestre, Jossei Toda. Elas atuam animadamente nos desfiles e concertos promovidos pelas localidades transmitindo esperança e coragem às pessoas. Todos os integrantes se empenham corajosamente nos ensaios com espírito de aprimorar e melhorar cada vez mais o desempenho em meio às atividades escolares e trabalhos.


Dra. Seifert: Eu também gosto muito das canções da Soka Gakkai. Sempre as cantei com toda a minha força e paixão, a ponto de “arrebentar” minha garganta.

As canções da Soka Gakkai encantam as pessoas, pois nasceram em meio às atividades de fé plenas de satisfação.


Pres. Ikeda: Tenho a convicção de que a religião é o grande solo que faz desabrochar o movimento cultural do povo. Excelente cultura eleva o humanismo. Para que se desperte a dignidade da vida superando a ira e assim construir um mundo harmonioso e pacífico, é absolutamente necessário o intercâmbio cultural. A arte e a música unem os corações.


Fontes:

Brasil Seikyo, ed. 2219, 22 mar. 2014, p. B2

Brasil Seikyo, ed. 2220, 29 mar. 2014, p. B2

TAGS:DIÁLOGOS

• comentários •

;