A intensa escuridão é o prenúncio da vitória
  • ARTIGOS

A intensa escuridão é o prenúncio da vitória

Você pode ler o diálogo do astrônomo e do pacifista na íntegra no livro Astronomia e Budismo: Uma Jornada rumo ao Distante Universo

No diálogo com o presidente Ikeda, o astrônomo Ronaldo Mourão explica sobre constelação do Cruzeiro do Sul e como podemos aplicar conceitos da astronomia em nossa vida diária


Ikeda: Vários símbolos estão representados na bandeira de uma nação. Procuro conhecer a origem dos símbolos de uma bandeira nacional antecedendo ao encontro com representantes desse país. Isso tem me propiciado um profícuo estudo de seus significados. Sol, Lua, estrelas e constelações são comuns em muitas bandeiras, mas a do Brasil é a única que representa a beleza do céu estrelado. As 27 estrelas no círculo central representam o Distrito Federal e os 26 estados brasileiros e simbolizam a constelação do Cruzeiro do Sul.


Mourão: Nossa bandeira nacional retrata o aspecto do céu do Rio de Janeiro às 8h30 da manhã de 15 de novembro de 1889, quando foi proclamada a República brasileira.


Ikeda: Foi um momento histórico sob o céu primaveril do Brasil. Essa mudança de regime de governo, passando de império para república, é conhecida como revolução sem derramamento de sangue. Estive no Rio em duas ocasiões, em março de 1966 e fevereiro de 1993. Ainda hoje me lembro nitidamente do magnificente Cruzeiro do Sul, que se destacava com sua beleza e esplendor no céu do Rio de Janeiro.


Mourão: Muito se fala da notável forma simbólica da constelação e do brilho das estrelas que formam o Cruzeiro do Sul. Mas pouca gente sabe que o Cruzeiro do Sul está situado em uma zona de inúmeras manchas escuras, como a nebulosa escura conhecida como Saco do Carvão.


Ikeda: De fato, quando se observa as fotos do espaço onde se localiza o Cruzeiro do Sul, nota-se uma extensa zona escura que parece cobrir a Via Láctea. No famoso conto infantil japonês Ginga Tetsudo no Yoru (Uma noite no trem da Via Láctea), seu autor, Kenji Miyazawa, descreve o Cruzeiro do Sul e o Saco do Carvão. Um menino viaja pela Via Láctea e penetra no Saco do Carvão à procura da verdadeira felicidade para as pessoas.


Mourão: Parece ser um conto muito interessante. Bem, o fundo negro dessa região do céu contribuiu bastante para realçar o brilho do Cruzeiro do Sul. Analogamente, o mesmo acontece em relação aos seres humanos. Quanto mais escura for a nossa situação, quanto mais difícil e penosa for, mais devemos brilhar. É nos momentos obscuros, tristes, que devemos procurar realçar todo o brilho de nossa vida.


Ikeda: Suas palavras transmitem profunda sabedoria. De fato, seja qual for a circunstância de vida, o importante é fazer brilhar a si mesmo o máximo possível. Esse ato é chamado no budismo de "revelar a verdade em si mesmo" (jitai kensho ) e significa criar por si mesmo a esperança em uma situação desfavorável porque todo o potencial está inerente na vida de cada pessoa.


Mourão: Concordo plenamente.


Cruzeiro do Sul a sinalizar a vitória

Ikeda: Quando se fala em nebulosas, as pessoas têm certa sensação de medo. Mas não são gases e poeiras que impedem a passagem da luz?


Mourão: Exato. Em uma região da nebulosa de alta concentração de matérias, os gases e poeiras processam a condensação para criar uma nova estrela.


Ikeda: Na verdade, em vez do medo, deveríamos imaginar o fantástico processo de criação. As estrelas irradiam seu brilho por manter uma condição de alta pressão e temperatura que desencadeiam a fusão e a reação nuclear. De forma análoga, um homem que passar por severas provações poderá irradiar um brilho que proporcionará uma nova vida à sua família, à comunidade e à sociedade no seu todo. Em um sutra budista consta que uma pedra reduz-se a cinzas ao ser queimada, enquanto o ouro torna-se ouro puro. Einstein disse: “Há apenas um caminho para o homem revelar sua verdadeira grandeza: é o caminho de constantes provações”.


Mourão: Quando visitei o Colégio Soka, disse aos alunos: “Nunca sejam derrotados. Mesmo que encontrem situações difíceis na vida, jamais desistam de perseguir a vitória”.


Ikeda: Os alunos ficaram muito emocionados com a sua visita. O senhor é um educador que ilumina e amplia o coração dos adolescentes para o tamanho do universo. Seus incentivos serão como o Cruzeiro do Sul a sinalizar a correta rota no mar bravio da vida.


Mourão: Muito obrigado. Falando novamente sobre o Cruzeiro do Sul, observe-o com atenção em uma noite estrelada e constate toda a beleza das cinco estrelas que formam a cruz. Verifique que, junto à estrela do braço direito da cruz, aparece uma luminosidade difusa. É o aglomerado de Kappa Crucis. Um aglomerado estelar, isto é, um agrupamento de dezenas ou centenas de milhares de estrelas ligadas entre si pela gravitação. Observar o aglomerado de Kappa Crucis com o auxílio de uma luneta é observar uma das maravilhas do céu. São cento e dez estrelas de todas as colorações. Duas, por exemplo, são verde-esmeralda. Outra é azul-marinho. Outras duas possuem uma coloração vermelha rubi muito viva. E foi em virtude desse esplêndido contraste de cores que se deu a essa aglomeração estelar o nome de Caixa de Joias, pois lá estão reunidas todas as joias do reino de Urânia, a musa da Astronomia. São diamantes, topázios, esmeraldas, rubis e safiras em forma de estrelas. São riquezas do tesouro do céu.


Ikeda: Mesmo que não tenhamos joias em nossa casa, podemos ter um rico coração a contemplar a riqueza das joias que cintilam no céu. Ouvindo suas explicações, lembrei-me do belo céu estrelado que vi quando estive no Aeroporto de Eldorado, na Colômbia, em minha primeira viagem pela América do Sul em outubro de 1960. O avião pousou para abastecimento nesse aeroporto que fica a 2.600 metros acima do nível do mar. Por causa da altitude, as estrelas pareciam especialmente mais belas. Estrelas azuis, brancas e vermelhas — percebi pela primeira vez que as estrelas tinham diversas cores. Como o senhor disse, todo o céu parecia realmente uma caixa de joias. O Cruzeiro do Sul também brilhava com toda a sua beleza.



Saiba mais: Você pode ler o diálogo na íntegra no livro Astronomia e Budismo: Uma Jornada rumo ao Distante Universo Mourão e Ikeda — um, astrônomo; outro, budista — apresentam visões diferentes e, ao mesmo tempo, convergentes do papel dos seres humanos no futuro do planeta.

Disponível na Livraria Pearl


Fonte:
Brasil Seikyo,
ed. 2241, 30 ago. 2014, p. A3
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;