A maneira como iniciamos o dia é o segredo da vitória na vida
  • ARTIGOS

A maneira como iniciamos o dia é o segredo da vitória na vida

Compartilhando sua experiência, o Dr. Ikeda enfatiza a importância de iniciar bem o dia e, com isso, conduzir uma vida significativa

Discurso do presidente Ikeda proferido na reunião de líderes da região de Chubu, na província de Aichi, Japão, em 28 de março de 1988.


Em 1973, visitei o Reino Unido e travei um longo diálogo com o renomado historiador britânico Arnold J. Toynbee (1889 – 1975). Na ocasião, o Dr. Toynbee tinha 84 anos. Mesmo com uma idade avançada, tendo como lema Laboremus [latim, “Trabalhemos!”), ele continuava a se dedicar com energia às suas pesquisas acadêmicas dia após dia.

Ainda me lembro claramente de suas palavras sobre aquele assunto. Ele disse que mantinha com regularidade os horários, acordando todas as manhãs às 6h45. Após preparar o café da manhã para ele e sua esposa e arrumar a cama, começava a trabalhar às 9 horas. Nesta simples descrição de sua rotina matinal, senti seu espírito juvenil de valorizar cada dia e continuar aprendendo e se aperfeiçoando.


Como discípulos de Nichiren Daishonin, oramos e praticamos a Lei Mística, dia após dia. Assim, cada um de nós desperta e descansa com o Buda (ou seja, o Gohonzon).

Primeiro, nossa prática do gongyo da manhã e da noite é a base para avançarmos no caminho correto da vida — um caminho alinhado com a Lei que permeia as “três existências” (passado, presente e futuro) — que conduz à mais significativa existência.

Não vencer pela manhã pode acarretar um dia insatisfatório. E uma interminável sucessão de dias assim pode resultar em uma vida insatisfatória. Por outro lado, vencer logo de manhã, começar bem o dia, conduz a um dia produtivo e o coloca no caminho de um sólido progresso, culminando em uma vida de realização e vitória. Por isso é tão importante vencer pela manhã e começar o dia de forma revigorante.


O Sr. Toda [segundo presidente da Soka Gakkai] era muito rigoroso com relação à pontualidade no trabalho. Como executivo de talento excepcional, tinha clara consciência da importância de uma vida disciplinada. Lembro-me com afeto de muitos de seus comentários sobre o emprego. Ele afirma que, certamente, em um local de trabalho em que todos começam o dia repletos de disposição, energia e determinação existe crescimento. E reiterava que a pessoa no comando do local de trabalho devia ser a primeira a chegar, instilando nos colaboradores o senso de responsabilidade e entusiasmo pelo emprego.

Dessa forma, dizia ele, também garantiria o sucesso na execução das tarefas em andamento e do negócio como um todo. Quando aqueles em posição de responsabilidade se atrasam para o trabalho e muitos subordinados passam a se tornar igualmente negligentes no tocante à pontualidade, advertia ele, os negócios começam a apresentar problemas e, com o tempo, entram em declínio. Essas observações precisas e rigorosas são fruto dos longos anos de experiência direta do Sr. Toda nos negócios.


Ele próprio [Josei Toda] nunca se atrasava. Sempre vinha ao escritório, exceto quando estava viajando a negócios ou por alguma circunstância especial. Por isso, nós, seus funcionários, também nunca podíamos nos atrasar. Toda manhã era uma batalha, e eu lutava freneticamente para chegar no horário. Às vezes, desejava em meu íntimo que ele se atrasasse. Mas esse desejo era sempre em vão!

Foram dias realmente árduos, mas hoje sou imensamente grato pelo valioso treinamento que me proporcionou.

Trabalhei com o Sr. Toda por aproximadamente dez anos, fazendo tudo que estivesse ao meu alcance para assisti-lo e apoiá-lo. Durante esse período, eu me atrasei para o trabalho duas ou três vezes por questões de saúde.


Naqueles anos iniciais do nosso movimento, as reuniões da Soka Gakkai costumavam se estender até tarde da noite, muito mais do que hoje em dia, e, portanto, chegávamos em casa tarde. Porém, o Sr. Toda nunca aceitava as atividades da Gakkai como pretexto para se atrasar para o trabalho, rejeitando esse argumento por considerá-lo um insulto à fé.

Ele também reiterava que quanto mais alta fosse a posição ocupada por alguém na organização, maior seria a sua responsabilidade e mais importante ainda em dar o exemplo. Advertia severamente os líderes a não adotar atitudes como contar vantagens e deixar de tomar ações concretas, condenando-as como vergonhosas e de um comodismo imperdoável.


A fé se manifesta na vida diária, e o budismo se expressa na sociedade. Seria realmente lamentável se, apesar de praticar o budismo, a pessoa continuasse mantendo um ritmo de vida e horários totalmente desordenados e caóticos e isso causasse um impacto negativo no ambiente de trabalho. Um exemplo como esse suscitaria nos outros questionamentos sobre a validade do Budismo de Nichiren Daishonin.

Cada um de nós deve se esforçar para demonstrar a grandiosidade do budismo na sociedade e conquistar a confiança e a compreensão das pessoas. Devemos dar o exemplo para que aqueles que nos conhecem digam: “As pessoas que praticam o budismo são diferentes. São realmente extraordinárias!”.


O Sr. Toda também dizia: “Chegar atrasado ao trabalho é um sinal de que há algo incorreto em sua prática budista. Justificar-se constantemente levará a mentir e a ser desonesto, e destruirá a confiança que as pessoas depositam em você. E quando menos esperar, dará um grave passo em falso e acabará desistindo totalmente de sua prática”.

Pequenos detalhes são importantes. Certos ou errados, esses atos se acumulam e fazem uma grande diferença no resultado final. Por essa razão, o melhor meio para alcançar seus objetivos futuros é atentar para os pequenos desafios diários e vencer cada um deles.



Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.315, 12 mar. 2016, p. B2

TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;