A Psicologia reconhece a ‘‘transformação do veneno em remédio’’
  • ARTIGOS

A Psicologia reconhece a ‘‘transformação do veneno em remédio’’

O texto a seguir é com base em dois discursos do Dr. Daisaku Ikeda: Na Conferência de Intercâmbio Europa - Ásia e na Reunião de Líderes de Regional da Soka Gakkai, realizada em Tóquio, no dia 9 de dezembro de 2004.

Em ambos, o líder da SGI cita os diálogos com o Dr. Martin Seligman, ex-presidente da Associação Americana de Psicologia e importante defensor da “psicologia positiva”. Ele tem sido chamado de um dos mais influentes teóricos revolucionários no campo da Psicologia desde Freud.

O presidente Ikeda encontrou-se com o Dr. Seligman em Tóquio, Japão, em 20 de setembro de 1997 e escreveu sobre o diálogo que realizaram em sua série de ensaios intitulada “Recordações de meus Encontros”.


Numa entrevista concedida a Masao Yokota, correspondente do Seikyo Shimbun Estados Unidos e presidente do Centro de Pesquisa de Boston para o Século 21, instituição filiada à Soka Gakkai, o Dr. Seligman compartilhou alguns dos valiosos insights de sua recente pesquisa.

O objetivo era descobrir, com base em dados empíricos coletados em todo o mundo, o que proporciona às pessoas uma grande realização na vida. O Dr. Seligman conseguiu identificar três fontes principais de realização. A primeira é viver uma existência agradável — a “felicidade hedônica”. A segunda é empregar as maiores forças e virtudes em todas as diversas esferas de atividades da pessoa e em seus relacionamentos com os outros. E a terceira é desdobrar-se no mais elevado empenho a serviço de algo que seja maior que si próprio.

Verificando os dados, o Dr. Seligman descobriu que em todas as partes do mundo, tanto a segunda como a terceira fontes de realização proporcionam um sentimento profundo e mais espiritual de realização do que a primeira. Em outras palavras, a felicidade não é determinada pela riqueza econômica ou material nem pela posição social.

Isso está exatamente de acordo com o que Nitiren Daishonin diz: “os tesouros do coração” são mais valiosos do que os “tesouros do cofre” (WND, pág. 851.) Esse ensino é nossa eterna e fundamental diretriz de vida.

E, de acordo com a perspectiva da Psicologia, as atividades da Gakkai, nos permitem acumular os tesouros do coração, e representam o estilo de vida ideal. É por isso que tantos pensadores importantes têm manifestado sua ardente esperança em que o humanismo Soka se propague amplamente em todo o mundo.

É assim que importantes pensadores do mundo consideram nosso movimento.


O Dr. Seligman salientou ainda que se poderia dizer exatamente o mesmo sobre o espírito humano.

Quando se enfrenta a miséria vinda de uma causa externa, “a ocorrência desse evento maligno abre outra porta”, disse ele. Quando algo de mal ocorre e uma porta se fecha, outra porta se abre. O Dr. Seligman chama isso de “as virtudes da miséria e as virtudes do veneno”.

Com relação a isso observou um conceito muito interessante: “Creio que muitos remédios sejam venenos, e a razão por que funcionam é que o veneno transforma-os em remédio... O corpo o trata como veneno e combina todos os tipos de defesas contra ele. E o efeito colateral dessas defesas é que mata a doença.”

Ele afirma que as pessoas tendem a ter uma visão superficial do sucesso e da felicidade. É por isso que acham difícil aceitar as “virtudes do veneno”. Tendemos a considerar o sucesso como uma ótima casa, um bom salário, “mas a menos que isso seja consumado por meio da tragédia, com a maturidade”, é um sucesso muito frágil e “facilmente se desintegrará quando for desafiado”. O professor cita que o mesmo se aplica às nações e culturas, que segundo ele “não sobreviverão a menos que estejam fundamentadas em instituições moldadas por meio da tragédia e da miséria”.


Quando observarem as grandes personalidades da história, disse o Dr. Seligman, “descobrirão que grande parte dessas pessoas perderam o pai ou a mãe quando eram jovens. Por isso há alguma razão para se acreditar que uma conquista extraordinária surge das dificuldades ou da ansiedade criada quando jovens”. Ele adverte: “Tenho minhas dúvidas sobre essas gerações inteiras de crianças japonesas e americanas sendo criadas com comodidade, com vidas de completo conforto e tranqüilidade.”

O psicólogo contou que durante o período em que foram realizados consideráveis esforços em ensinar a autoestima às crianças americanas, surgiu em lugar disso uma epidemia de depressão sem precedentes. O objetivo na América era fazer com que as crianças se sentissem bem, e poupando-as ou protegendo-as das dificuldades da vida, cultivarem assim a sua autoestima. Mas protegendo as crianças das dificuldades, os americanos tornaram impossível para elas compreenderem qualquer mensagem de dor ou sofrimento.

Nesse processo, as crianças sentem-se desanimadas e perdem seu senso de valor.

O Dr. Seligman continua: “Creio que todos nós devemos entender como pais e como líderes, como jornalistas... que a menos que tenhamos problemas em nossas vidas, não podemos compreender, não podemos desenvolver a persistência, não podemos experimentar a felicidade, ... não podemos desenvolver nosso caráter e sabedoria. Creio que sejam os líderes que devem de alguma forma transmitir isso.”

O professor enfatizou também que a ansiedade, que em geral é considerada uma emoção negativa ou mesmo um veneno espiritual, pode ser um remédio que nos dá força. A justiça é conseguida através da ansiedade, disse ele, acrescentando: “Uma vida sem ansiedade é uma vida sem justiça.” Apesar de isso parecer dramático, admite ele, a relação entre a ansiedade e a justiça pode ser expressa da seguinte forma: “Se formos covardes, a maldade triunfará.”

O Dr. Seligman afirmou que sem a existência da maldade, a nobreza das pessoas de bem não poderia ser demonstrada, e nesse sentido há significado para a existência da maldade. Mas, insiste ele, devemos lutar sempre contra a sua tirania. 

Muitos dos que são expostos à maldade sentem-se incapazes de resistir; tornam-se pessimistas e permitem que a maldade triunfe. Ao contrário, devemos ser sempre otimistas diante da maldade, disse ele. Não devemos sucumbir a sentimentos de desamparo mas sim nos mantermos em luta. A ansiedade, insiste ele, é o combustível que sustenta nossa batalha contra o que é errado ou injusto.



Leonardo da Vinci disse: "Nenhum obstáculo pode me impedir. Todo obstáculo pode ser superado com esforços apaixonados".

Se a nossa fé for fraca, o veneno continua a ser veneno dentro de nós. Mas se a nossa fé for forte, qualquer veneno, não importa o quanto seja maligno, será transformado em remédio.

Portanto, espero que todos vocês tenham a máxima confiança. Quanto maior a nossa miséria, mais feliz nos tornaremos. Aquele que sofre será o mais feliz no final. Essas são as funções da Lei Mística. Esse é o imenso poder da insondável Lei da vida.



Fonte: Com base no BS, ed. 1.278, 25 jun. 1994, p. 3; BS, ed. 1.790, 9 abr. 2005, p. A3

Saiba mais: Para conhecer um pouco mais sobre as pesquisas do Dr. Seligman, confira o caderno do BS Conheça o Budismo, ed. 2.321, 30 abr. 2016

TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;