Acalentem as mais sublimes ideias e lutem pelos mais elevados objetivos
  • ARTIGOS

Acalentem as mais sublimes ideias e lutem pelos mais elevados objetivos

Presidente Ikeda fala sobre cultivar grandes ideais, cita a postura dos líderes e a respeito da reforma religiosa humanitária proposta pela Soka Gakkai.

Em nome da delegação do Japão, gostaria de expressar respeitosamente os meus agradecimentos a vocês, nossos amigos do Canadá, pela calorosa hospitalidade que nos demonstraram durante nossa estada. Além disso, quero expressar minha sincera estima aos membros da delegação de intercâmbio de Hong Kong que viajaram uma grande distância. Duo Xie, Duo Xie (muito obrigado).

Estou muito feliz por ver como a SGI do Canadá está se desenvolvendo solidamente. Espero que, centralizando na presidente Elizabeth Izumi, continuem a avançar firmemente com harmonia ainda maior.


Um verdadeiro líder dá alegria aos membros

Em relação a isso, gostaria de discutir alguns pontos importantes para o avanço saudável do kosen-rufu.

O primeiro ponto é a ‘‘Maneira de falar’’. A linguagem rude ou desrespeitosa não deve ser usada na organização. Uma vez que sei que os membros do Canadá são muito cultos e dignos, estou certo de que esse tipo de linguagem não é usado em sua organização. É para os membros do Japão que digo isso.

O segundo ponto é a ‘‘Cortesia’’. Quando visitarem um companheiro, por exemplo, deve ser observada uma etiqueta apropriada quando chegarem e quando partirem da casa da pessoa.

Além disso, quando falarem com os companheiros, devem se aproximar cortesmente e com um espírito de respeito mútuo, independentemente das diferenças de posição organizacional. Lembrem-se sempre: a conduta cortês e rica em senso comum, a conduta que brilha com caráter humano é a marca de uma pessoa de fé.

O trceiro ponto é ‘‘Não cansem os membros’’.

Os líderes não devem considerar os membros como se fossem seus seguidores pessoais. Não devem fazer com que fiquem cansados como por exemplo, convocando-os de manhã bem cedo ou fazendo-os ficar acordados até tarde da noite.

Parece que, pelo menos na organização no Japão, existem aqueles que ficam completamente exauridos mental e fisicamente em consequência da companhia desses líderes tirânicos. Naturalmente, onde existem essas condições não existe alegria na fé.

Um verdadeiro líder dá alegria aos membros. É sua missão demonstrar máxima consideração em relação às pessoas; isso inclui ser cuidadoso para não deixá-las cansadas. As atividades conduzidas com alegria não desgastam os membros.

O quarto ponto é ‘‘Estabelecer objetivos’’. Seguir na vida sem um objetivo — seguindo desnorteadamente até encontrar alguma resistência e então parando e mudando de direção — é simplesmente viver por instinto.

Em qualquer situação, é importante ter objetivos. Assim como temos objetivos na promoção das atividades pelo kosen-rufu, tais como nos esforços de propagação e na campanha Amigos da SGI, as crianças podem ter objetivos por suas notas na escola, e vocês podem ter objetivos pela poupança pessoal ou familiar. O progresso encontra-se em estabelecer um objetivo e então realizar constantes esforços para a sua concretização.

O quinto ponto é ‘‘Acalentar ideais’’. Somente os seres humanos podem ter ideais. Apenas as nossas difíceis batalhas em meio às severas realidades da vida não podem inspirar a esperança.

Construir uma casa, casar bem — esses são também ideais. Devemos ter ideais na vida. E, dentre esses, o ideal da vida é o mais supremo.

Aqueles que vivem por ideais elevados podem conduzir a mais nobre e significativa vida. Vocês são os que abraçam esses supremos ideais.


Progresso da Soka Gakkai

Desde 2 de outubro, a Soka Gakkai no Japão começou a conferir aos seus membros o Gohonzon que foi transcrito por Nichikan Shonin, vigésimo-sexto sumo prelado. Gostaria de esclarecer um ponto relacionado a esse progresso.

Durante minha recente visita aos Estados Unidos, visitei a Universidade Tufts (em 22 de setembro).

O Departamento de Religião da Universidade Tufts, localizado em Medford, Massachusetts, entregou ao líder da SGI uma menção honrosa pela notável liderança religiosa em reconhecimento às suas contribuições à paz e cultura.

Encontrei também o Professor Howard Hunter, estudioso de religião mundialmente renomado e presidente do Departamento de Religião dessa universidade, em Tóquio (em 2 de setembro). Naquela ocasião, concordamos em iniciar um diálogo a ser intitulado (provisoriamente) ‘‘Religião para o século 21’’.

Durante sua visita ao Japão, o Dr. Hunter proferiu uma palestra aos membros da Divisão Científica da Soka Gakkai (com o tema ‘‘O Clero no Mundo Moderno’’, na qual postulou que o laicato é em si o verdadeiro clero e que todas as pessoas têm o poder de exercer as funções sacerdotais). Este é um sumário um tanto condensado das observações finais do Dr. Hunter: ‘‘É apropriado concluir essa análise do clero no mundo moderno com o enfático ensino do presidente Ikeda em relação ao verdadeiro objeto de adoração que na tradição budista é chamado Gohonzon.

‘‘Em relação a isso, o presidente Ikeda salientou repetidamente o seguinte ponto: O ‘Gohonzon é o ‘objeto de adoração para observar a própria mente’ e o ‘objeto de adoração da fé’. É a nossa fé que determina o benefício do Gohonzon.’

‘‘O presidente Ikeda expressa extremamente bem a sua idéia quando diz: ‘É no coração humano, no ichinen de uma pessoa, que o Gohonzon encontra sua verdadeira e única residência’.

‘‘Ele cita o seguinte ensino de Nichiren Daishonin: ‘Nunca procure o Gohonzon em outros lugares. Ele somente pode habitar no coração das pessoas comuns como nós que abraçam o Sutra do Lótus e recitam o Nam-myoho-renge-kyo.’ (END, vol. I, pág. 325.)

‘‘Essa passagem exprime o que poderia ser denominado ‘o êxtase do momento transformador quando cada indivíduo exercita o seu próprio poder sacerdotal (compreendendo que o objeto de adoração existe em sua própria vida)’.

‘‘Nichikan Shonin explica a natureza do momento transformador da seguinte forma: ‘Quando uma pessoa abraça o Gohonzon, adquire fé nele e recita o Nam-myoho-renge-kyo, a sua vida se torna imediatamente o objeto de adoração do ichinen sanzen; torna-se a vida de Nichiren Daishonin.’’ (Comentário sobre "O Verdadeiro Objeto de Adoração").


Inspirando o entusiasmo pela vida

Nichiren Daishonin e Nichikan Shonin declaram que o Gohonzon existe nos corpos e mentes dos que praticam a Lei Mística.

O Gohonzon é um ‘‘concentração de benefícios’’; reúne em si todos os tipos de benefícios. Assim, todos os benefícios no universo inteiro são colhidos em nosso coração, em nossa ‘‘fé’’. Nada é mais nobre do que a fé. Nichiren Daishonin e Nichikan Shonin salientam esse ponto repetidas vezes.

O Dr. Hunter continua [Esta citação, assim como a anterior, é um resumo de suas observações]: ‘‘O mais importante é o coração humano. Conhecer o próprio eu, isto é, compreender que é um buda nada mais é do que uma função do próprio coração”.

‘‘Assim sendo, como poderia um indivíduo submeter-se ao seu próprio chamado sacerdotal — isto é, a responsabilidade individual pela própria autoconsciência e auto-satisfação — a um estranho (em resumo, a um agente externo, o sacerdote)?

Em outras palavras, o Dr. Hunter está dizendo que a suprema existência é encontrada no coração. E que é o coração que desperta para essa existência. Isto é, é o próprio eu e o próprio coração que abrem o ‘Gohonzon interior’ que reside na própria vida. Portanto, conclui ele, não se pode confiar essa importante tarefa a um “estranho” na pessoa de um sacerdote.


Vocês não devem ser subservientes aos sacerdotes

Citando os exemplos de Martin Luther King, Emerson e Thoreau, o Dr. Hunter argumenta: ‘‘A direção do crescimento espiritual leva à internalização da função sacerdotal e da responsabilidade com relação a cada indivíduo, e a um distanciamento da subserviência a um indivíduo externo ou a um grupo de sacerdotes’’.

Ele está dizendo que aqueles que se subordinam aos sacerdotes são espiritualmente ignorantes. Como seus comentários sugerem, a reforma religiosa que estamos empreendendo concorda em todos os aspectos com o progresso espiritual da humanidade.

O Gohonzon atua para ajudar-nos a nos conscientizar de que nós somos o buda. Nisso se encontra o verdadeiro significado de ‘‘o objeto de adoração para observar a própria mente’’.

Dessa forma, quando nos baseamos em uma correta compreensão do Gohonzon, não temos nenhuma necessidade de acompanhar líderes que representam a ‘‘autoridade externa’’. Em vez disso, precisamos é de ‘‘bons amigos’’ (zentishiki) que nos ajudem a obtermos a autoconsciência e vivermos a vida com esperança. A nossa SGI, que tem uma ligação direta com Nichiren Daishonin, realiza essa função.



Fonte: BS, ed. 1.247, 23 out. 1993, p. A4

TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;