Budismo é uma religião viva
  • ARTIGOS

Budismo é uma religião viva

A paz e a prosperidade são alcançadas quando o que é certo prevalece. Desta forma é possível fixar um norte com base na justiça

Com base na série Sabedoria Para Criar a Felicidade e a Paz [43], Terceiro tema: kosen-rufu e a paz mundial, publicada no jornal Brasil Seikyo.

Esta série foi extraída do discurso do presidente Ikeda proferido numa conferência comemorativa do Dia da SGI, Tóquio, 26 de janeiro de 2010.

Lastimando o fato de as pessoas de sua época enfrentarem infindáveis sofrimentos em decorrência de desastres naturais, fome e epidemias, Nichiren Daishonin encaminhou seu tratado Estabelecer o Ensinamento Correto para a Pacificação da Terra ao governante do país. Nele, declarou que o único modo de aliviar esse sofrimento seria abraçar uma filosofia sólida de respeito à dignidade da vida. O presidente Ikeda explica que o espírito de “estabelecer o ensinamento correto para a pacificação da terra” [rissho ankoku] constitui o âmago do Budismo de Nichiren Daishonin e o pilar central da Soka Gakkai.


Afirma-se que os princípios expostos por Nichiren Daishonin, ao longo de sua existência, se iniciam e terminam com o tratado Estabelecer o Ensinamento Correto para a Pacificação da Terra.

Nesse escrito pulsam a grande compaixão e o ardente desejo de Daishonin de consolidar a felicidade das pessoas em uma sociedade pacífica com base no ensinamento correto do budismo.

Em perfeita consonância com o espírito de “estabelecer o ensinamento correto para a pacificação da terra”, nós, da Soka Gakkai, promovemos o kosen-rufu sobrepujando tempestades de perseguição de todos os tipos. Tenho convicção absoluta de que Daishonin está louvando e aplaudindo nossos esforços.

Ele destaca nesse tratado: “Se o senhor se importa realmente com a segurança pessoal, deve primeiro orar pela paz e segurança nos quatro quadrantes da terra”. Caso desejemos felicidade pessoal, aponta ele, devemos, primeiro, orar pela segurança e prosperidade da sociedade e pela paz mundial.

Enquanto guerras e desastres naturais afligirem o país, as pessoas não conseguirão obter a felicidade. Não se trata apenas de se esforçar pela própria felicidade. A verdadeira felicidade só pode ser obtida quando oramos por uma sociedade pacífica e próspera para todos e nos dedicamos para tornar esse fato uma realidade. Além disso, ao adotarmos essa maneira de viver, conseguimos nos libertar da concha do nosso eu menor e conquistar uma vida genuinamente gratificante e realizada.


Construir uma sociedade ideal

O Sr. Toda dizia a Divisão dos Jovens: “Pensem em como transformar a sociedade e o que vocês precisam fazer para construir uma sociedade ideal! Quero que baseiem suas ações numa perspectiva mais ampla”.

Gostaria que vocês, jovens, liderassem a jornada da construção de uma sociedade ideal. Espero que se empenhem ativamente na sociedade e deem o máximo de si para ajudar os outros e contribuir com a sua comunidade. Essa é a essência do Budismo de Nichiren Daishonin.

Pessoas são a base da sociedade e das nações, e as ações delas são moldadas por ideias, filosofias e religiões.

A condição da sociedade depende, em larga escala, dos princípios e objetivos que norteiam a vida. Por isso, é vital que cada indivíduo possua uma sólida filosofia de vida. Nosso movimento em prol do kosen-rufu representa, portanto, uma luta para concretizar o ideal de “estabelecer o ensinamento correto para a pacificação da terra”.

Nichiren Daishonin declarou: “Em última análise, a menos que tenhamos êxito em demonstrar que este ensinamento [do Nam-myoho-renge-kyo] é supremo, esses desastres prosseguirão sem diminuir”.


Vida é batalha

O budismo concentra o foco em vencer. A verdadeira paz e a prosperidade só podem ser alcançadas quando aquilo que é certo e justo prevalece e os princípios corretos florescem.

A vida é uma batalha. Só obteremos um resultado vitorioso por meio de uma oração fervorosa, árduos esforços e por concluir nossas ações. Sejamos capazes de vencer em todas as esferas, mediante esforços dedicados e diálogo sincero.

Daishonin sofreu severa perseguição por ter admoestado as autoridades do governo. Por que ele redigiu o tratado Estabelecer o Ensinamento Correto para a Pacificação da Terra, mesmo tendo plena consciência de que seria perseguido por isso? Em Considerações sobre Estabelecer o Ensinamento Correto para a Pacificação da Terra, ele esclarece sua motivação: “Declaro tudo isso unicamente em prol da nação, da Lei e das demais pessoas, não em benefício próprio”.

Nichiren Daishonin, o Buda dos Últimos Dias da Lei, estava preparado para proclamar intrepidamente a verdade em prol do budismo, da paz e da humanidade.

O Sr. Toda frisou: “Mesmo quando estava para ser decapitado e exposto ao frio gelado da neve de Sado, Daishonin não declarou que era o pilar, os olhos e a grande nau do Japão, e lutou abnegadamente pela felicidade de todos? Retornemos ao nosso sólido eu inerente e lutemos dando tudo de nós!”.


Religião verdadeiramente viva

A Soka Gakkai expandiu amplamente para o mundo inteiro uma rede de paz, cultura e educação fundamentada no Budismo de Nichiren Daishonin. Ao mesmo tempo em que a organização se empenha para concretizar a felicidade para todos por meio da filosofia da revolução humana, promove, em âmbito mundial, o diálogo entre civilizações, movida pelo desejo de edificar uma sociedade pautada pela coexistência e harmonia.

Nichiren Daishonin declara: “Sábio não é aquele que pratica o budismo isolado das questões mundanas, mas quem compreende integralmente os princípios que regem o mundo".

Nós nos devotamos a realizar uma contribuição positiva ao mundo, demonstrando a sabedoria do budismo no seio da sociedade. É dessa forma que fazemos o budismo evidenciar seu brilho como uma religião verdadeiramente viva.

Líderes e pensadores do mundo todo louvam a SGI pelos seus préstimos à humanidade. Praticando de acordo com os ensinamentos de Daishonin e herdando o seu espírito, nós, da Soka Gakkai, somos hoje o “pilar da paz” do mundo, os “olhos da educação” dos jovens e “a grande nau da cultura” da humanidade.

Com esse profundo orgulho e convicção em nosso coração, sigamos em frente com intrepidez.


Fonte: 
Brasil Seikyo, ed. 2.337, 27 ago. 2016, p. B3
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;