Cada encontro de vida a vida é um incentivo único
  • ARTIGOS

Cada encontro de vida a vida é um incentivo único

Trechos do capítulo “A Origem”, vol.29 do romance Nova Revolução Humana

Edificar a felicidade por meio da prática da fé é a comprovação da veracidade do budismo


O avião que transportava Shin’ichi Yamamoto e comitiva continuou seu voo tranquilo, passando por Taiwan e chegando a Hong Kong.

Em gratidão à hábil pilotagem do comandante, Shin’ichi compôs um poema e lhe enviou: “Oro / que haja felicidade em ti / asas em pessoa”. Ao lado dos versos, escreveu: “Agradeço pelos seus cuidados. Oro pela vossa saúde e grande atuação”.

Pouco mais de três horas da partida do Aeroporto de Kagoshima, a aeronave com a comitiva aterrissou no Aeroporto de Kai Tak, em Hong Kong, às 13h20, horário local.

Na recepção do aeroporto estavam o diretor Chen Chingho do Instituto de Estudos Chineses da Universidade Chinesa de Hong Kong e membros da SGI-Hong Kong.

Essa foi a primeira visita a Hong Kong em cinco anos após 1974. Como coincidia exatamente com o ano-novo chinês, a cidade estava enfeitada com mensagens de “feliz ano-novo” em chinês e lamparinas vermelhas, e também muito animada com o vaivém das pessoas.

Do hotel onde se hospedaram, Shin’ichi foi imediatamente para a sede de Hong Kong, situada na área de Kowloon Tong. Lá, às 15 horas, tirou uma foto comemorativa no jardim com cerca de trinta membros que estavam no local.

— Estou feliz por me encontrar com os senhores!

Dentre esses associados havia estudantes japoneses que realizavam intercâmbio na Universidade Chinesa de Hong Kong e vizinhos da sede.

— Vamos fazer o gongyo juntos?

Então todos se dirigiram para a sala de oração no térreo e iniciaram o gongyo e em seguida começaram a dialogar.

Aos universitários que vieram estudar em Hong Kong Shin’ichi disse: “O período de intercâmbio passa num instante. Por favor, valorizem cada dia e se empenhem firmemente nos estudos”.

Para as pessoas da vizinhança, ele falou: “Sustentar firme daimoku, participar das atividades da Soka Gakkai e se esforçar no estudo do budismo serão muito importantes para todos. Um recém-nascido não se torna adulto em uma semana ou dez dias. Da mesma forma, é em meio à continuidade de ações de fé, prática e estudo por dez, vinte anos que se consegue uma condição de vida de felicidade inimaginável”.

— Edificar a felicidade, tanto material como espiritual, por meio da prática da fé se tornará a comprovação da veracidade do budismo. A felicidade dos senhores é o kosen-rufu, e a comprovação é vitória.


Desejo me tornar amigo das crianças do mundo


Quando Shin’ichi Yamamoto terminou o diálogo na Sede de Hong Kong e saiu, viu que ali estavam reunidas dezenas de pessoas que souberam da sua visita. A região começava a ser tingida com as cores do entardecer.

Shin’ichi, dizendo “Obrigado por terem vindo especialmente para me encontrar!”, apertou a mão de todos e tirou foto comemorativa.

Um senhor e uma senhora correram até ele, levando três crianças:

— Olá! — cumprimentou-os [Shin’ichi] em cantonês, e abraçou as três crianças juntas e tirou foto comemorativa com a família.

De acordo com o tradutor Zhou Zhiying, que integrava a comitiva, essa era a família Lin, com as duas meninas de 9 e 11 anos e um menino de 6 anos. Ao saber que Shin’ichi vinha a Hong Kong, a família Lin manifestou o desejo de encontrá-lo de alguma forma, e o aguardava num parque na frente da sede.

Shin’ichi disse às crianças:

— Já que tiveram o trabalho de vir até aqui, hoje vamos brincar juntos no parque.

Aos pais, ele falou:

— Queria me encontrar com os senhores. Desejo me tornar amigo das crianças do mundo, pois este, em especial, é o Ano Internacional da Criança, estabelecido pela Organização das Nações Unidas.

Ao caminhar segurando a mão do menino, perguntou o nome dele. Era Senko.

Ao chegarem ao parque, foram brincar primeiro na gangorra. Shin’ichi sentou-se na ponta de um lado, e as três crianças juntas se sentaram no lado oposto.

— Vocês todos são pesados! Estão prontos? Sobe! Desce!

As crianças riram alto do começo ao fim. Depois, elas subiram num balanço cada uma. Empurrando o de Senko, ele disse:

— Estudem firmemente. Todos se esforçando, sigam até a faculdade. Tornem-se também grandes pessoas, pelo bem do papai e da mamãe, respeitem-nos e cuidem deles. As pessoas que valorizam o pai e a mãe são dignas como ser humano. Isso é igual no mundo inteiro.


É no ato de viver pelo juramento que é chamado de verdadeiro ser humano


Na família Lin, ao todo eram seis filhos, o pai, que era motorista, e a mãe, costureira. Todos moravam num apartamento do governo de menos de 30 m2.

Após brincar no balanço com as crianças da família Lin, Shin’ichi Yamamoto olhou para os pais e falou:

— Vocês se esforçam bastante. As crianças estão observando atentamente a imagem dos pais que trabalham dando tudo de si por eles, e sem falta se desenvolverão magnificamente. Mesmo pobres, discretas e sem ser o centro das atenções, as pessoas que se empenham nas atividades da Gakkai, desejando a felicidade dos outros e se dedicam com determinada obstinação são as mais grandiosas, são as grandes heroínas do povo.

Em seguida, voltou-se novamente para as crianças:

— O papai e a mamãe de vocês são pessoas extraordinárias. Vocês devem ter o maior orgulho deles. E no futuro, conquistem força e capacidade para proteger as pessoas que sofrem. Tudo bem? Prometem?

Apertou com firmeza a mão de cada integrante da família Lin e se despediu dizendo: “Então, vamos nos encontrar novamente. Obrigado!”.

Pais e filhos jamais se esqueceram das palavras de Shin’ichi naquele encontro. “Sigam até a faculdade.” Os pais juraram firmemente no coração cumprir essas palavras ditas por Shin’ichi. A vida era difícil, e não tinham condições de enviar as crianças para a faculdade, mas se esforçaram arduamente. A mãe trabalhava até 1, 2 horas da madrugada; e acordava às 5 horas para preparar as refeições; e assim, os pais foram criando os filhos.

Das três crianças incentivadas por Shin’ichi, as duas maiores fizeram pós-graduação. E o irmão menor, Senko, formou-se na prestigiada Universidade de Hong Kong, tornou-se dentista e abriu um consultório. Na Soka Gakkai, atuou como responsável pelo Departamento de Médicos da SGI-Hong Kong.

O ser humano, ao realizar um juramento desafiando-se para cumpri-lo, eleva a si mesmo e se desenvolve. Um juramento só pode ser feito pela pessoa, e é no ato de viver por ele que é chamada de verdadeiro ser humano.

Fonte:

Brasil Seikyo, ed. 2345, 29 out. 2016, p. B4
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;