Coragem, convicção e esperança
  • ARTIGOS

Coragem, convicção e esperança

Grandes tesouros da juventude

Discurso do presidente Ikeda | Adaptado de um ensaio antológico My Thoughts [Meus Pensamentos], publicado em japonês em maio de 1969.


A maioria das pessoas guarda muitas recordações de sua juventude, e não sou exceção. Podemos dizer, de fato, que aqueles que as tem viveram plenamente a juventude.


Minha família era pobre, e meus quatro irmãos mais velhos foram recrutados pelo exército e enviados para os campos de batalha durante a Segunda Guerra Mundial. Arrumei um trabalho para ajudar a minha família. Restrições financeiras e de tempo implicavam ter de trabalhar durante o dia e à noite, e dar continuidade aos estudos dos ensinos médio e superior.


Minha saúde também não era muito boa. Mas estava determinado a me devotar, de corpo e alma, ao trabalho. Às vezes, ao fazer entregas para a empresa na qual trabalhava, precisava puxar um carrinho enorme na elegante área de Ginza [Tóquio, Japão]. Também tinha de me virar com uma única camisa, mesmo quando o vento frio do outono começava a soprar. Contudo, nunca senti a mínima vergonha ou constrangimento por causa disso. Na verdade, encarava minhas adversidades como a história emocionante de um jovem que desafiava as dificuldades com um sorriso, e considerava-as até mesmo como fonte de orgulho. Todos aqueles esforços da juventude certamente se tornaram o alicerce da minha vida hoje.


Naquela época, eu estava convencido — ou, melhor dizendo, determinado — de que não poderia desperdiçar minha juventude em atividades inúteis. Deveria abrir meu caminho na sociedade com orgulho, exatamente como eu era, desenvolvendo minha capacidade e vivendo com plenitude. A determinação que me sustentou na juventude permanece inalterada até hoje. Os maiores vitoriosos na vida são aqueles que, no final, vencem como seres humanos, independentemente da posição social, riqueza e honra. Pretendo me lembrar disso até o último instante de minha vida.


Entretanto, valendo-me da experiência que possuo hoje, há coisas que eu gostaria de ter feito de forma diferente na juventude. Por exemplo, em relação aos estudos, quisera eu ter adquirido mais educação básica na adolescência e início da idade adulta. Gostaria também de ter me esforçado mais para desenvolver um corpo forte e saudável. E, embora soubesse do valor do período da juventude e tenha lido uma quantidade razoável de livros na época, hoje me arrependo profundamente por não ter lido dez ou vinte vezes mais.


Fazendo um retrospecto de minha própria juventude, reconheço nitidamente como esse período é importante na vida de uma pessoa. Não seria exagero dizer que a maneira como vivemos a juventude determina amplamente o restante de nossa vida.


Jovens são obras em andamento, ainda não completas. Isso é o que faz de cada jovem uma incógnita com potencial ilimitado. Os jovens são uma força pulsante para uma mudança inovadora e positiva; eles fervilham energia e vitalidade. Nada é mais maravilhoso que isso.


Realmente sinto que coragem, convicção e esperança são qualidades vitais que os jovens devem possuir. Os esforços intrépidos dos jovens são uma fonte de sur­preendente criatividade. E a coragem é sustentada pela convicção. Quando temos convicção, somos livres de dúvida e hesitação. A convicção, por sua vez, nasce de nosso empenho para cumprir nossa missão e responsabilidades. Os indivíduos mais extraordinários são aqueles que se mantêm firmemente os ideais de sua juventude, aos sonhos que tinham quando eram jovens.


Os jovens são o tesouro de uma nação e a riqueza do mundo no futuro. Nada é mais precioso. Minar o futuro dos jovens e roubar-lhes sua vitalidade é como arremessar esse tesouro ao mar. E líderes que tragicamente forçam os jovens a lutar em guerras, fazendo-os perder a vida são, na verdade, os mais censuráveis vilões.


Amo os jovens. Nada me deixa mais feliz do que o crescimento deles. Vibro quando os vejo se desenvolvendo e se transformando em indivíduos sábios, amantes da paz e felizes. Também acalento a esperança de caminhar com eles, mantendo meu espírito jovem enquanto viver.


Meu único e exclusivo desejo, e minha maior felicidade, é que uma constante correnteza de jovens continue brotando, a partir dos alicerces que construímos, para trabalhar pela paz mundial e propiciar o florescimento da cultura.



Fonte:


Brasil Seikyo, ed. 2322, 07 mai. 2016, p. B2


TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;