Elevar o estado de humanidade
  • ARTIGOS

Elevar o estado de humanidade

A condição de bodisatva da terra tem esse poder

Trechos extraídos e adaptados de Reconhecer o “Nosso Eu” como Bodisatvas da Terra, da série “Sabedoria para criar a felicidade e a paz”, publicada no Brasil Seikyo, ed. 2.341, 24 set. 2016, p. B2.

Os bodisatvas da terra praticam a Lei Mística constantemente e vivem cada momento em profunda sintonia com a dimensão eterna da vida. Embora no que se refira à prática eles sejam bodisatvas, no tocante à iluminação interior são budas.

No entanto, a imagem que as pessoas tendem a fazer do Buda é a de um ser transcendente ou a de um super-homem. Ao contrário dessa visão, os bodisatvas da terra se devotam como seres humanos comuns que praticam a Lei Mística. Eles se dedicam como pessoas reais, e isso possui um significado profundo.

O poder dos bodisatvas da terra está em sua capacidade de transcender as diferenças e ajudar as pessoas a alcançar a felicidade por meio do poder fundamental que possuímos como seres humanos. Os bodisatvas da terra são pessoas simples, comuns, plenas e absolutas campeãs humanas.

A discriminação é absolutamente inaceitável. É um perverso desvio de conduta que fere tanto o outro como a nós mesmos. Distinções tais como raça ou etnia não constituem a verdadeira essência da nossa humanidade, são ilusórias como uma miragem. O que precisamos fazer é modificar a maneira como vemos nossa existência como seres humanos. Quando isso mudar, tudo será diferente.

Juntos, transcendemos as fronteiras de identidade étnica e a nacionalidade. Devemos perceber que não somos impotentes nem apenas amontoados de matéria física ou escravos de nossos genes. Necessitamos despertar para o fato de que somos muito mais, que possuímos um enorme e ilimitado potencial dentro de nós. Os seres humanos são unos com o universo, e o poder que cada um possui é igual ao poder total do universo.

Se não possuíssemos a mesma condição de vida do nosso mestre, o estado de buda, não conseguiríamos propagar a Lei Mística corretamente. Além do mais, realizar o kosen-rufu neste mundo cheio de problemas implica conviver na sociedade, entre as pessoas, como seres humanos iguais. Assim, os bodisatvas da terra preenchem ambas as condições — incorporam o estado de buda inerente e se dedicam ativamente no mundo real.

Os bodisatvas da terra são iguais ao sol; também são iguais às flores do lótus, que desabrocham com todo o seu esplendor na água lamacenta. Eles vivem neste mundo corrupto, mas se mantêm imaculados sem se contaminar pelos males de onde habitam.

Se formos iguais ao sol, a escuridão na sua totalidade será banida da nossa vida. Cada dia será repleto de luz e iluminaremos com radiância a vida das outras pessoas também. Se formos iguais às flores do lótus, transformaremos o pântano lamacento dos desejos e sofrimentos em alegre iluminação.

Os bodisatvas da terra vêm praticando a Lei Mística diligentemente desde o passado distante. Eles lapidaram a vida centrada na fé e na Lei Mística. Esse é o motivo pelo qual conseguem suportar grandes dificuldades neste conturbado mundo saha para propagar o correto ensinamento do budismo. Nas profundezas de sua vida habitam o mundo dos budas.

Os bodisatvas da terra são pessoas que agem ininterruptamente com base na Lei Mística; estão sempre avançando. Fazer pulsar dentro de nós essa vibrante energia é “emergir como bodisatva da terra” na própria vida. Isso significa romper a casca do nosso eu menor.

Emergir como um bodisatva da terra consiste em fazer uma “revolução da condição de vida”. E propagá-la de uma pessoa para outra é o esforço para transformar e elevar a condição de vida não só da sociedade, mas da humanidade como um todo.

 

TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;