Manter o foco no futuro do ser humano
  • ARTIGOS

Manter o foco no futuro do ser humano

Devemos criar uma era em que todos desfrutem a paz, a felicidade e a satisfação de viver

Extraído de uma entrevista sobre a publicação da edição em búlgaro da obra Utsukushiki Shishi no Tamashii [ A Beleza do Coração do Leão], veiculada no jornal Seikyo Shimbun, em 10 de agosto de 2000.


O século 20 foi um período de guerras. A guerra não é nada além de massacre e destruição; impõe miséria às pessoas, atirando-as num inferno vivo e é a mais brutal das atividades humanas. No entanto, no século 20, a humanidade repetiu esse gesto em escala sem precedentes.

A segunda metade do século testemunhou um novo passo. Nesse período o foco mudou, convergindo para um momento de desenvolvimento econômico. Enquanto a guerra resulta da lógica do poder, a atividade econômica é guiada pela lógica do lucro e do prejuízo. Embora o desenvolvimento econômico possa conduzir algumas pessoas à prosperidade, ao mesmo tempo também pode condenar outras à pobreza; alguns indivíduos que fracassam nos negócios são levados ao suicídio. O crescimento econômico carrega o potencial para ampliar a distância entre ricos e pobres e, inclusive, para debilitar a igualdade e a liberdade. São aspectos que devemos levar em consideração. Mas não significa que devemos abandonar as atividades econômicas, uma vez que elas continuam sendo um indispensável empreendimento humano.

O importante é lembrar que o propósito original da política e da economia é a felicidade e o bem-estar das pessoas. Por essa razão, filosofia, política e economia deviam ser direcionadas para esse propósito fundamental. Contudo, ao longo do tempo, essas esferas gradativamente se apartaram da sua verdadeira finalidade e se distanciaram do ser humano.

Acredito, portanto, que ingressamos numa era em que a humanidade deve, uma vez mais, lançar luz sobre o ser humano. As pessoas devem ser o ponto central. Sem ponderar sobre essa questão com seriedade, nós nos veremos repetindo as tragédias do passado. O novo século deve ser uma era do humanismo. Como podemos nos tornar realmente felizes? Como podemos viver em paz? Precisamos fazer destes pontos o nosso foco principal e combinar nossa sabedoria para realizar essa busca, envolvendo eruditos, educadores e líderes de todos os campos. Devemos adotar uma filosofia que coloque o ser humano em primeiro lugar. Esse é o maior desafio que enfrentamos no século 21.

Direitos humanos devem estar interligados com a felicidade efetiva das pessoas. Devemos criar uma era em que todos possam desfrutar igualitariamente paz, felicidade e satisfação. Com isso em vista, vamos nos empenhar para a restauração do humanismo, para a instauração de um novo foco de interesse que convirja no ser humano.


Fonte:

Brasil Seikyo, ed. 2.439, 13 out. 2018, p. B1

TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;