“Nós, jovens”
  • ARTIGOS

“Nós, jovens”

É crucial mantermo-nos fiéis até o fim ao caminho que escolhemos

Com base no discurso proferido na sexta sessão do Conselho Executivo Nacional, realizada em 5 de agosto de 2003, em Nagano, Japão.


Cada dia é uma nova partida na vida. Outro dia, incentivei uma pessoa que estava se aposentando dizendo-lhe: “Apesar de estar se aposentando, seja sempre participativo.”


Vamos nos lembrar calorosamente uns aos outros que nós seremos companheiros na luta em prol do kosen-rufu enquanto vivermos — de fato, por toda a eternidade! — e continuarmos a nos empenhar sinceramente juntos. Mesmo que a idade avance, vamos sempre manter um espírito vigoroso e criar um ritmo em nossa vida que nos dê condições de continuar nos empenhando em prol do kosen-rufu. Não há idade para aposentadoria na vida nem na fé. O espírito ativo para lutar em prol do kosen-rufu é uma prova da juventude. Mesmo quando o primeiro presidente da Soka Gakkai, Tsunesaburo Makiguchi, estava com mais de 70 anos, ele costumava dizer assim quando falava aos seus discípulos: “Nós, jovens.”


As funções da mente humana são extraordinariamente sutis. Digamos, por exemplo, que seus filhos tenham crescido e que vocês conquistaram um certo grau de estabilidade financeira. Como consequência, vocês sucumbem ao pensamento de que agora podem descansar e viver com o mínimo de esforço. Todavia, se permitirem que isso aconteça, não conseguirão fazer com que o último capítulo de sua vida seja glorioso. Vocês podem ser velhos de 50 anos se tiverem perdido o espírito de luta; ao mesmo tempo, há “jovens” de 80 ainda se empenhando com ardente entusiasmo. Não há nenhuma razão para se retirar nem se abster na luta pelo kosen-rufu. Espero que todos continuem a avançar com liberdade e vigor junto com seus companheiros por toda a vida.


Alguns anos atrás, fui convidado a proferir um discurso no Instituto da França em Paris [em junho de 1989]. O poeta francês Jean de La Fontaine (1621–1695) foi um membro famoso dessa prestigiosa instituição acadêmica. Em sua renomada obra Fábulas, ele escreveu: “Desde tempos imemoriais, as pessoas humildes sofrem por causa das imbecilidades das pessoas importantes e poderosas.” Os atos tolos das autoridades são a raiz de todos os males. Como é grande o sofrimento que causaram às pessoas! O século 21 é a era em que devemos corrigir essa perversão.


La Fontaine fez ainda a seguinte advertência: “Aqueles que montam uma armadilha para os outros estão montando uma armadilha para si mesmos.” E afirmou também: “Todos os ingratos acabam na miséria.” As pessoas invejosas e ingratas destroem sua própria vida.


O último estágio da vida é muito importante. É crucial mantermo-nos fiéis até o fim ao caminho que escolhemos.


Fonte: 
Brasil Seikyo, ed. 1.726, 6 dez. 2003, p. A3
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;