Nosso corpo é Nam-myoho-renge-kyo
  • ARTIGOS

Nosso corpo é Nam-myoho-renge-kyo

Daishonin ensinou que o corpo humano é um microcosmo, que cada um de nós é um universo em miniatura

Trechos do discurso do presidente Ikeda proferido por ocasião da inauguração do Centro Cultural da Soka Gakkai da Tailândia (SGT).


A Lei Mística é a lei fundamental subjacente a tudo no universo. É a lei para a qual Nichiren Daishonin foi iluminado e que ele incorporou desde o tempo sem início. A unicidade de Pessoa e Lei é a exata essência da Lei Mística. Correspondentemente, abaixo do centro do Gohonzon, Nichiren Daishonin escreveu “Nam-myoho-renge-kyo, Nichiren”.


Quando acreditamos nesse Gohonzon e conduzimos uma fé e prática diretamente ligadas a Daishonin, o microcosmo que é a nossa vida individual acompanha o ritmo fundamental do macrocosmo, ou seja, o universo. Atingiremos um estado onde nossa vida permeia todo o universo.


No escrito Registro dos Ensinamentos Transmitidos Oralmente, Daishonin diz: “(Com relação aos cinco caracteres do Nam-myoho-renge-kyo), myo é a cabeça, ho é o pescoço, ren é o peito, ge é a barriga e kyo são as pernas”. Ele explica que o nosso corpo em si é a entidade dos cinco caracteres do Myoho-renge-kyo.


A Lei Mística do Nam-myoho-renge-kyo revelada por Nichiren Daishonin é simultaneamente a Lei do macrocosmo, o universo, e a Lei do microcosmo, ou seja, cada vida individual.


A palavra Namu, de Nam-myoho-renge-kyo, possui o significado de “devotar-se”, ou literalmente, “retribuir com a própria vida”, e refere-se à fusão do macrocosmo e do microcosmo. Na frase “retribuir com a própria vida”, “retribuir” significa “voltar ao” ou fundir-se com o universo, enquanto “a própria vida” refere-se a viver uma vida dinâmica que seja mantida pela força infinita do universo e imbuída com as quatro virtudes da eternidade, felicidade, verdadeira identidade e pureza.


O microcosmo do corpo humano

Daishonin ensinou que o corpo humano é um microcosmo, que cada um de nós é um universo em miniatura.


Embora alguns de vocês possam já ter ouvido isso antes, gostaria de mencionar alguns poucos exemplos dados nessa escritura [de Nichiren Daishonin].


A forma redonda da cabeça assemelha-se à abóbada celeste. O calor da barriga imita a primavera e o verão, enquanto a rígida frieza das costas imita o outono e o inverno. Dessa forma, diz-se que o corpo contém o céu, a terra e as quatro estações.


Existem doze principais juntas em nosso corpo. Elas representam os doze meses do ano. Há 360 pequenas juntas, representando os 360 dias (aproximadamente o número de dias do ano).


A nossa respiração é como o vento. Algumas vezes é como uma brisa gentil, e outras como um forte vento de temporal, da mesma forma quando alguém luta com outra pessoa.


Os nossos olhos representam o sol e a lua. Os cabelos, as estrelas. Nossos sobrancelhas, a constelação da Ursa Maior. Nossa corrente sanguínea, os rios.


Uma hemorragia cerebral pode ser descrita como a enchente de um rio.


A nossa carne é como a terra. A nossa pele como o solo. Os pelos que cobrem nosso corpo são como as gramas e as florestas.


Diz-se que nosso coração descansando entre os dois pulmões representa a flor de lótus dentro do peito.


Nosso corpo em si é o macrocosmo, o universo. Essa é a lei fundamental da vida. E quando acreditamos e praticamos a Lei Mística, realmente podemos manifestar livremente os tesouros do universo e empregá-los em nossas próprias vidas microcósmicas. Assim fazendo, o resultado final será a felicidade em nossa vida.


Portanto, se uma pessoa possui a fé no Sutra do Lótus, poderá atingir uma vida que é suprema em todas as formas, um maravilhoso e insuperável estado de absoluta felicidade. Essa é a conclusão de Shakyamuni e o âmago dos ensinos de Nichiren Daishonin.


O mais importante é a fé

As escrituras, acima de tudo, nos ensinam essa correta atitude para com a fé, uma fé que é diretamente ligada a Nichiren Daishonin. “Puros benefícios definitivamente aparecerão mais tarde”.


O presidente Toda costumava dar algumas orientações nesse sentido:

Em nossa vida temos o carma negativo que foi acumulado por incontáveis aeons desde o infinito passado.


Portanto, a vida é como uma grande mangueira de jardim entupida com entulhos. No começo, mesmo se direcionarmos a água pura do mundo do estado de buda em nossa vida por meio da da fé, é a sujeira que inicialmente será forçada a sair. Eis por que temos de lutar contra o nosso carma.


Entretanto, se continuarmos em nossa fé, então certamente veremos o surgimento crescente dos puros benefícios. Definitivamente seremos capazes de transformar o destino, nesta vida, ou seja, concretizar o princípio de que “a fé manifesta-se na vida diária”.


O Gohonzon é o grande remédio com a poderosa força que nos possibilita fazer isso. É a suprema e nobre máquina de produzir a felicidade.


Por essa razão, nossa fé nesta existência é extremamente importante. Não importa o quão difíceis sejam as circunstâncias, devemos nos dedicar ao kosen-rufu e concretizar o princípio de atingir o estado de buda nesta existência. Se assim fizermos, então definitivamente atingiremos um estado em que todos os desejos serão realizados. Também atingiremos um estado de completa liberdade no eterno futuro.


Portanto, vamos encorajar uns aos outros e, juntos, vamos concretizar a verdadeira felicidade nesta existência. Ao mesmo tempo, vamos também auxiliar os outros a serem felizes. É para isso que existe a Soka Gakkai.


Fonte: 
Brasil Seikyo, ed. 1.272, 14 maio 1994, p. 4
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;