Que tipo de tesouro deixaremos para a humanidade?
  • ARTIGOS

Que tipo de tesouro deixaremos para a humanidade?

Todas as pessoas possuem a força para se tornar grandiosas

Trecho extraído da mensagem enviada por ocasião da inauguração da Universidade Soka da América, em 3 de maio de 2001.


Quando penso na educação, meu peito revive o diálogo com o Dr. Arnold J. Toynbee, grande historiador do século 20.

Nosso primeiro diálogo foi realizado em 1972. O local foi a residência do Dr. Toynbee, em Londres. Na época ele estava com 83 anos, e eu, com 44.


No início do diálogo, eu disse a ele: “Se este diálogo vier a se tornar alguma indicação para a solução dos diversos problemas das muitas pessoas do futuro que viverão no século 21, será uma alegria além da expectativa para mim e para a humanidade”.


O Dr. Toynbee me respondeu: “Sr. Ikeda, eu também aguardei esta oportunidade por um longo tempo. Eu também penso nas diversas questões lançando foco no próximo século que está por vir. No futuro, quando eu, naturalmente, e até mesmo o senhor já não estivermos mais neste mundo, numa época em que um tempo ainda maior já tiver passado, como estará o mundo? Eu tenho grande interesse nisso”.


Após uma pessoa falecer, o que ela terá deixado para a humanidade? As pessoas devem pensar nisso e viver o presente, ensinou o Dr. Toynbee. Para mim, isso é educação e é “universidade”.


Somente uma educação com base na universalidade possui a força da paz para unir o mundo. Por isso, faz enxergar a característica tendenciosa das religiões de se considerar como a única verdade.


E são justamente as universidades a fonte de luz da esperança que continua a iluminar a humanidade com os raios do intelecto, mais duradouros que quaisquer outras instituições.


Inabalável castelo da natureza humana

O que mais se enfatizou no diálogo com o Dr. Toynbee foi que “o ser humano torna-se manipulável à medida que ele perde sua natureza humanista”. Exemplo maior disso é a educação para a guerra.


Foram o primeiro e o segundo presidentes da Soka Gakkai, Tsunesaburo Makiguchi e Josei Toda, que confrontaram essa educação para a guerra e lutaram até o fim empenhando a própria vida para proteger o verdadeiro valor do ser humano.


Durante a Segunda Guerra Mundial, o ensandecido governo militar japonês oprimiu a Soka Gakkai e prendeu Makiguchi sensei e Toda sensei. O presidente Makiguchi faleceu na prisão aos 73 anos.


Quero deixar para a humanidade o inabalável grande castelo da natureza humana e da justiça, e também o indestrutível baluarte da paz e da cultura. A Universidade Soka da América é a cristalização desse ardente desejo do primeiro e do segundo presidentes, e o grande desejo dos pioneiros da nossa organização.


O presidente Tsunesaburo Makiguchi, pai da Educação Soka, declarou altivamente que o objetivo da educação se encontra na felicidade.


No grande solo da esperança que busca o valor universal denominado “felicidade” nasceu agora uma universidade que tem como princípio a felicidade de toda a humanidade.


Todas as pessoas sobre a face da Terra têm o direito de ser felizes. Todas as pessoas do futuro e de toda a eternidade possuem a força para se tornar felizes.


É exatamente por cumprir sua própria nobre missão que o ser humano pode ser feliz junto com os outros – essa é a nossa convicção.


Fonte: 
Brasil Seikyo, ed. 2.445, 24 nov. 2018, p. B2-B3
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;