Revolução humana – abrir os olhos para a felicidade absoluta
  • ARTIGOS

Revolução humana – abrir os olhos para a felicidade absoluta

Uma revolução em nossas ações e comportamento transforma o ambiente

Adaptado do livro Juventude: sonhos e esperanças, v. 2, publicado em português em fevereiro de 2010.

Revolução humana não se refere a algo fora do comum ou especial. Por exemplo, digamos que um belo dia um menino que só brinca e nunca estuda toma uma decisão: “De agora em diante, vou estudar”. Ou pense consigo mesmo: “Vou me esforçar pelo meu futuro”. Ao agir assim, ele está exercendo a revolução humana.


Revolução humana significa abrir os olhos amplamente e contemplar além das preocupações comuns, esforçar-se e empreender ações por algo mais elevado, mais profundo e mais vasto. Alguém antes considerado um caso perdido pode, mediante uma grande mudança pessoal por meio da prática budista, tornar-se uma fonte de inspiração para incontáveis outras pessoas.


Os períodos nos quais você passa por um sofrimento intenso, nas quais não sabe o que fazer ou que rumo tomar, podem se tornar importantes oportunidades para efetuar grandiosos avanços em sua revolução humana.

Caso tenda a ficar desanimado facilmente, simplesmente renove sua determinação cada vez que isso acontecer. Pessoas decididas a encarar problemas como oportunidades e que continuam tentando e tentando repetidas vezes, seguindo em frente com infatigável otimismo, infalivelmente terão êxito em sua revolução humana.

Quando a revolução humana se propaga à família, ao país e ao mundo, converte-se numa revolução não violenta em prol da paz.

“Revolução” indica causa para uma mudança. Denota uma transformação súbita e radical.

A revolução humana vai um passo além desse encadeamento gradativo, impulsionando-nos rapidamente numa direção positiva. E, embora seja um aperfeiçoamento veloz, também constitui um crescimento que prossegue por toda a vida. Não há um ponto final. Nossa prática budista constitui o motor, a força propulsora de nossa revolução humana.

Existem incontáveis livros de ensinamento moral que persistem há milhares de anos. Também há livros de autoajuda e motivacionais, mas não se pode consolidar a revolução humana ou transformar o destino só com palavras.


Somente seres humanos são capazes de buscar crescimento e auto aperfeiçoamento. Possuímos a faculdade de mudar conscientemente a direção de nossa vida, de engrandecê-la e aprofundá-la, em vez de apenas permitir que ela siga a esmo.

As pessoas tendem a considerar o caminho para a grandiosidade como o da ascensão social. Mas a revolução humana implica nos aprimorarmos de um modo mais profundo e interno. Também possui uma dimensão eterna. É muito superior à mera elevação do nível social.

Os seres humanos sempre continuarão sendo seres humanos; não podemos nos transformar em algum ser superior. Por isso o mais importante é mudarmos como seres humanos. Podemos tentar nos revestir de fama, status social, credenciais acadêmicas, conhecimento ou dinheiro, mas se formos miseráveis no que diz respeito ao humanismo, nossa vida permanecerá pobre e vazia por dentro.

O que importa é quem somos quando somos desnudados de todas os fatores externos; o que importa é como somos sendo nós mesmos. A revolução humana consiste em transformar esse âmago mais profundo, de nossa vida, de nosso ser.

TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;