Ser um bom ouvinte tem efeito terapêutico
  • DIÁLOGOS

Ser um bom ouvinte tem efeito terapêutico

Trechos extraídos e adaptados do livro Sabedoria na Saúde — Um Novo Século de Saúde – O Budismo e a Arte da Medicina, p. 69-70, em que o presidente Ikeda dialoga com especialistas.

Pres. Ikeda: As pessoas que têm alguém com quem possam conversar são, de fato, afortunadas. É algo maravilhoso termos tantos amigos para conversar na SGI. Em particular, os mais idosos que possuem amigos para conversar desfrutam uma saúde física e emocional mais estável.

Toyofuku: Especialistas no campo da medicina psicossomática referem-se aos amigos como pessoas em quem se pode confiar e que oferecem segurança, como uma rede de proteção. Esses amigos e protetores são elementos muito importantes no combate ao estresse.

Pres. Ikeda: Qual seria a melhor forma de apoio que alguém poderia oferecer?

Morita: O mais importante é ser um bom ouvinte.

Toyofuku: Recordo-me da experiência de uma integrante do grupo Shirakaba, o grupo de enfermeiras da Divisão Feminina da Soka Gakkai. Essa pessoa fora designada para cuidar de uma senhora de 87 anos. Quando se encontrou pela primeira vez com sua paciente, essa encontrava-se desanimada, sentada em uma cadeira de rodas com uma expressão entediada, os lábios fortemente cerrados e as sobrancelhas franzidas.

Ao vê-la, a enfermeira foi dominada pelo desejo de fazê-la sorrir e revelar uma expressão terna no rosto. A partir daquele momento, sempre que se encontravam, a enfermeira segurava a mão da senhora e conversava com ela. Então, um dia, na cafeteria do hospital, a paciente começou a compartilhar todo o sofrimento que havia passado. A enfermeira segurou como sempre sua mão e apenas a ouviu, acompanhando pacientemente sua história e meneando a cabeça em concordância.

Quando a paciente terminou de falar, a enfermeira a ergueu e a conduziu de volta para o quarto. No caminho, a mulher sussurrou para a nova amiga: “Ninguém até hoje me ouviu como você”. E, daquele dia em diante, um sorriso passou a brilhar no rosto daquela senhora.

Pres. Ikeda: Mas que bela história! Com certeza, ouvir é muito importante. Aqueles que sabem ouvir têm a capacidade de tocar e abraçar as pessoas. A capacidade de saber considerar os outros é um indicativo de boa saúde, a energia da qual a perfeita saúde deriva. Só o fato de ter alguém para ouvi-lo pode ser muito terapêutico e fazer com que se sinta muito melhor.

TAGS:DIÁLOGOS

• comentários •

;