Seu local de trabalho também é palco para a revolução humana
  • ARTIGOS

Seu local de trabalho também é palco para a revolução humana

Presidente Ikeda fala das próprias experiências no trabalho e relembra os direcionamentos do seu mestre, Josei Toda

Discurso do presidente Ikeda extraído do discurso proferido na 90ª Reunião de Líderes da Soka Gakkai e 37ª Convenção da Divisão dos Estudantes, Tóquio, 28 de junho de 1995.


Preocupações relacionadas ao trabalho podem povoar a mente dos jovens. Podem se perguntar em que tipo de ocupação se enquadram melhor ou se o emprego atual é o mais certo para eles.


Eu tinha muitas dessas indagações quando jovem. Assim que entrei na editora do Sr. Toda, comecei como editor de uma revista infantil. Era algo que sempre quis fazer, mas os negócios da empresa diminuíram e a publicação foi suspensa. Então, fui transferido para o tipo de trabalho de que eu menos gostava, ligado a finanças. Além disso, houve um período em que nem recebi meu salário mensal. Quando o inverno chegou, não pude comprar um casaco. Mas nunca me queixei.


Um bom trabalho

Meu único desejo era superar a crise pela qual os negócios do Sr. Toda estavam passando, e trabalhava obstinadamente com essa finalidade. Ele deu o seguinte conselho aos jovens que enfrentavam questões referentes ao trabalho: “Há três critérios para se escolher um trabalho: beleza, benefício e bem. O ideal de todos é obter uma ocupação de que gostem (beleza), que seja financeiramente estável (benefício) e com a qual possam contribuir para a sociedade (bem). Entretanto, o mundo real nem sempre é tão cômodo. Pouquíssimas pessoas encontram o trabalho dos seus sonhos desde o início. Na maioria dos casos, temos de realizar tarefas que jamais esperávamos fazer”.


Por exemplo, nosso trabalho pode nos proporcionar um sustento seguro, contribuir para a sociedade, e não ser algo que apreciemos ou que se ajuste de fato ao nosso temperamento. Ele nos oferece benefício e bem, mas não beleza. Ou podemos ter um ofício de que gostemos e que contribua para a sociedade, entretanto não nos provê dinheiro suficiente para nos sustentar. Possui beleza e bem, mas não benefício.


Nosso trabalho pode ser extremamente bem remunerado e agradável, porém ter um efeito negativo na sociedade. Há benefício e beleza, mas o bem está ausente.


Como observamos, na verdade pode ser difícil obter todos os três valores — beleza, benefício e bem. Em especial, nos tempos adversos que estamos enfrentando na economia atualmente, torna-se cada vez mais difícil até mesmo encontrar um emprego.


O que devemos fazer então?

O Sr. Toda recomendou: “Em épocas como esta, os jovens não devem desanimar. Simplesmente canalizem toda a sua energia no trabalho atual e sejam pessoas indispensáveis nesse local. Orando fervorosamente ao Gohonzon e continuando a se esforçar ao máximo, sem deixar que tarefas ou atribuições desagradáveis os intimidem, acabarão encontrando um trabalho que apreciem, proporcione segurança financeira e produza o bem para a sociedade. Esse é o benefício da fé. E isso não é tudo. Quando olharem para trás, perceberão que seu árduo esforço nesse trabalho muito longe de ser satisfatório não foi em vão, e que tudo se transformou num patrimônio valioso para vocês. Compreenderão que tudo tem um significado. Posso lhes assegurar isso por experiência própria. Nossa fé se expressa na vida e na sociedade. Esse é o poder do budismo”.


O Sr. Toda era um líder dotado de uma genialidade sem igual. Sei por experiência que o que ele disse a respeito do trabalho é verdade.


O importante é se esforçar e vencer onde está agora. O budismo ensina que nossa vida é eternamente dotada do estado de buda, e este mundo saha repleto de sofrimento é a própria Terra da Luz Eternamente Tranquila (A terra do buda, livre de transitoriedade e impurezas).


Portanto, brilhem onde estão agora. Ao se lançarem em seu trabalho, em vez de evitá-lo, definitivamente abrirão um caminho a seguir na melhor direção possível. Eventualmente, observarão que todos os seus esforços até então tinham significado, e tudo o que experimentaram é um tesouro para a vida. Nesse instante, vocês serão vencedores.


É muito melhor ser alegre e ativo

Os jovens que abraçam a Lei Mística são felizes. Obterão satisfação e realização sem falta.


Gostaria que alcançassem um estado de vida onde declarassem: “Eu sou um jovem verdadeiramente afortunado. Todos os meus esforços são fonte de felicidade”.

A verdadeira natureza da pessoa se revelará em sua aparência e ações, de acordo com o princípio do verdadeiro aspecto de todos os fenômenos. Enquanto lamentarem a situação, ficando tristes e abatidos, serão infelizes e não há como reconhecerem suas habilidades.


É muito melhor ser alegre e ativo, o que abrirá caminhos para outras possibilidades. Sua atitude determina tudo.

Quero que cada um de vocês tenha sucesso em seu respectivo campo. Ser bem-sucedido é não fazer pela metade, é seguir o caminho escolhido até o fim.


Para isso, tenham o trabalho como local de aprimoramento para se desenvolver como verdadeiros seres humanos, bem como o local de exercício budista de capacitação da prática da fé. Se adotarem essa perspectiva, todas as suas queixas desaparecerão. Nada é mais lamentável que uma pessoa que está sempre reclamando.


Texto: Brasil Seikyo, ed. 2.331, 16 jul. 2016, p. B3
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;