Vamos fazer uma visita?
  • ARTIGOS

Vamos fazer uma visita?

O que significa trabalhar na linha de frente? É cuidar de cada companheiro, realizar visitas familiares e dialogar com as pessoas

O incentivo pessoal é uma tradição da Soka Gakkai. Pelo fato de empreendermos muita energia para visitar os associados individualmente e encorajá-los é que hoje existem verdadeiros seres humanos de valor que se dedicam ao kosen-rufu em todo o mundo. Eu também me esforcei ao máximo para me encontrar com cada um e lhe dedicar um sincero incentivo.


Não se preocupem por não serem eloquentes oradores, apenas perseverem com otimismo, pois realizar o nobre trabalho do Buda significa que todos os seus esforços são parte do treinamento para ser um grandioso líder. As batalhas que travarem a cada dia para visitar um membro ou para dialogar com alguém sobre o budismo lhes permitirão enriquecer a vida e a farão brilhar com boa sorte e benefícios.


Realizar somente grandes reuniões talvez seja algo extremamente unilateral e possa dificultar aos praticantes evidenciarem seu verdadeiro potencial. Um líder é aquele que se envolve em diálogos de vida a vida com os outros e os inspira a ter fé por meio de incentivos calorosos e acolhedores. A determinação que surge no coração dos associados como resultado [desse empenho] é duradoura e também é o catalisador de um crescimento ainda maior.


Uma onda pode gerar inúmeras outras. Dessa forma, aquela criada por seus esforços em visitar alguém e se ligar sinceramente a ele dá origem a outras incalculáveis ondas. Esse tem sido o segredo do atual desenvolvimento da Soka Gakkai.


Ao visitarem os companheiros, é importante serem educados e atenciosos durante todo o encontro. Além disso, enquanto dialogam, espero que tratem uns aos outros com cortesia e respeito, e que assim o façam com todos, independentemente de qual seja sua função na organização.


Jamais se esqueçam de que uma conduta digna e caracterizada pelas boas maneiras e pelo bom senso é a marca dos praticantes do Budismo de Nichiren Daishonin.


Encontros de vida a vida

Eu me lancei com toda sinceridade na linha de frente da batalha. O que significa trabalhar na linha de frente? É cuidar de cada companheiro, realizar visitas familiares e dialogar com as pessoas


Visita familiar.

As visitas familiares e as orientações individuais são atividades modestas e invisíveis aos olhos de outros, mas são um importante trabalho que visa cultivar as raízes da fé. Os troncos crescem frondosos e os ramos e as folhas tornam-se exuberantes quando as raízes estendem-se profundamente no solo. Da mesma maneira, a fonte de todo o progresso encontra-se na prática da fé desenvolvida com alegria, esperança e convicção. Para isso, precisamos compartilhar dos problemas de cada companheiro, oferecendo-lhes respostas claras e objetivas para as suas dúvidas.


Compromisso.

Assim, é de suma importância que os líderes do kosen-rufu, compartilhando do mesmo compromisso entre mestre e discípulo, trabalhem incansavelmente na linha de frente de nosso movimento, participando ativamente nas reuniões de palestra, fazendo visitas ou encontrando-se com os membros e procurando dialogar com as pessoas. É essencial que eles estejam sempre prontos a se empenhar pela felicidade e pelo bem-estar de seus amigos e companheiros.


Comprometimento.

O que distingue uma organização bem-sucedida? Os líderes que agem de forma comprometida, que se esforçam ao máximo, que tomam a liderança na realização de visitas familiares para oferecer palavras de incentivo e orientação são o que torna uma organização bem-sucedida.


Girar a roda da Lei.

Os membros da SGI fazem visitas familiares e oferecem benevolentes incentivos sobre a fé; eles se empenham para incentivar cada pessoa e propagar o ensino de Daishonin e falam a seus amigos sobre o budismo. Essas atividades são o que realmente significa girar a roda da Lei. E são as ações douradas da prática budista.


Avanço e vigor.

O budismo é razão. Portanto, com respeito às visitas familiares, não devemos aparecer repentinamente na casa das pessoas e esperar que nos recebam, pois isso seria uma falta de consideração. Se ocorrer de ser necessário fazer uma visita sem ter tido condições de avisar, basta uma breve conversa na frente de casa para que demonstremos nosso apoio e interesse. Uma só palavra expressa com o coração sincero pode tocar a vida de uma pessoa.


Engajamento.

As chaves imutáveis de renovado crescimento são a preocupação com os membros, o engajamento habitual nos diálogos sinceros e o apoio e incentivo nas visitas familiares, na orientação individual ou em alguma outra forma de contato.


Face a face.

Cartas, mensagens, telefonemas e outros meios de comunicação modernos não nos permitem transmitir nosso verdadeiro objetivo nem compreender profundamente o genuíno sentimento das outras pessoas. A Sra. Deng Yingchao sempre tentava ir ao encontro das pessoas com quem iria falar, ou fazia com que as pessoas chegassem até ela, esforçando-se ao máximo para encontrá-las pessoalmente. Ela insistia na importância de se comunicar e compreender o sentimento uns dos outros.


Diálogo sincero.

O verdadeiro desafio em nossa prática budista acontece quando estamos sós. Nós precisamos da determinação para nos empenharmos na fé e vencermos, mesmo que ninguém mais observe nossos esforços. O sucesso de nosso movimento está em treinar incontáveis indivíduos corajosos e possuidores desse espírito de levantar-se só.


Foi por isso que me encontrei com muitas pessoas e me engajei em sinceros diálogos. Com meus companheiros, fui de um local a outro para conversar com os amigos a respeito do Budismo Nichiren. E me dediquei de todo o coração a incentivar uma pessoa após a outra. Entrei em ação sentindo arder dentro de mim a profunda alegria proveniente da gratidão ao meu mestre e intensa paixão pelo kosen-rufu.


Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.092, 16 jul. 2011, pág. A12 Brasil Seikyo, ed. 2.336, 20 ago. 2016, p. A3
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;