Vocês são o tesouro e a esperança da sociedade
  • DIÁLOGOS

Vocês são o tesouro e a esperança da sociedade

Presidente Ikeda fala sobre a prática budista e o trabalho, e início da carreira profissional

Muitos jovens recém-formados estão prestes a ingressar no mercado de trabalho pela primeira vez. Ao mesmo tempo, talvez muitos jovens que já estão no mercado de trabalho estejam diante de novos desafios devido às promoções ou à mudança de emprego.

Nesse contexto, o presidente Ikeda conversou com a equipe do Seikyo Shimbun direcionando seus incentivos a esses novos profissionais no Japão, e SeikyoPost separou para você, algumas partes desse diálogo.


Presidente Ikeda: O sério comprometimento profissional dos jovens tem o poder de promover um desenvolvimento dinâmico em seu local de trabalho. A contribuição desses jovens talentosos, que representam a nova geração, são o tesouro e a esperança da sociedade.

Constantemente penso em vocês, jovens: “Será que estão bem de saúde?”; “Será que tomaram um bom café da manhã?”; “Será que estão dormindo bem e o suficiente?”

Oro sinceramente todos os dias com o desejo de que os jovens que estão iniciando em seu primeiro emprego desfrutem cada dia com saúde, excelente disposição e sem arrependimentos.

Naturalmente, nem sempre tudo dá certo desde o início para alguém. Talvez vocês venham a cometer erros. Podem também vir a ser advertidos. Pode chegar um momento em que se questionem se estão no trabalho certo. Mas, nesses momentos, lembrem-se sempre do espírito entusiástico com o qual deram o seu primeiro passo em relação ao trabalho. O importante é a decisão estabelecida neste momento e a ação que empreenderão a partir de agora.

O jazzista americano e membro da SGI-USA, Wayne Shorter, comentou que, para ele, o espírito do princípio budista da “verdadeira causa” — de sempre avançar a partir deste momento — significa, na prática, nunca esquecer o espírito primordial. Enquanto o mantivermos firmemente em nossa vida, sempre evidenciaremos criatividade e ideias inovadoras.


Conquistem a confiança no trabalho

Seikyo Shimbun: Muitas vezes um novo emprego é acompanhando de grandes mudanças no cotidiano. Além disso, podem não encontrar tempo para frequentar as atividades da SGI e, ainda, não realizar o gongyo, nem daimoku como gostariam. Como agir diante disso?

Presidente Ikeda: Meu conselho para vocês que acabaram de ingressar no mercado de trabalho é que sejam pacientes e perseverantes. Não há problema se, num primeiro momento, demorem a pegar o ritmo ou a aprender as tarefas. Não se comparem aos outros, apenas deem o melhor de si em cada tarefa. É assim que gradativamente criarão seu próprio ritmo.

Quando se sentirem impossibilitados de realizar uma tarefa, mesmo com sincero esforço, não tenham medo de pedir ajuda. Se não entenderem algo, perguntem. Esse tipo de atitude é uma qualidade importante para aqueles que desejam desempenhar uma função ativa na sociedade.

Os que não têm medo de fazer perguntas ou pedir conselhos a seus supervisores e veteranos são os que se desenvolvem mais rápido. Ser novato no trabalho é uma experiência que a maioria das pessoas já vivenciou, por isso não se sintam incomodados ou preocupados. Quando se depararem com algum problema, dialoguem com um veterano da sua confiança.


Prática budista e vida profissional

Presidente Ikeda: Nichiren Daishonin declara: “Considere seu serviço ao lorde como a prática do Sutra do Lótus. Este é o significado da afirmação do Grande Mestre Tiantai: Nenhuma questão da vida ou do trabalho é contrária à realidade verdadeira” (WND, v. 1, p. 905). Em outras palavras, devemos considerar nosso serviço como parte de nossa prática budista e reconhecer que todas as questões do ser humano são manifestações da Lei Mística.

Seja qual for o emprego ou a posição que ocupam, como pessoas que recitam o daimoku, manifestem a sabedoria e façam o seu melhor com sinceridade para criar a verdadeira causa para a felicidade das pessoas e o bem-estar da sociedade. Sua profissão e sua prática budista não estão separadas. Pelo contrário, sua prática budista e as atividades da SGI são fontes para fazer do seu trabalho algo verdadeiramente valioso e significativo.


Tudo depende de você

Seikyo Shimbun: Foi num momento de grande tensão, quando a possibilidade de um terceiro exílio não podia ser descartada, que Daishonin escreveu a carta que contém a frase: “Considere seu serviço ao lorde como a prática do Sutra do Lótus”.

Presidente Ikeda: Sim. Sobre esse episódio, com enorme tranquilidade e serenidade, Daishonin diz: “Mesmo que eu seja novamente exilado, isso me traria cem, mil, dez mil, milhões de vezes mais boa sorte” (WND, v. 1, p. 905). E então Daishonin passa a incentivar o discípulo que recebeu a carta para este mostrar a prova real de vitória no trabalho, local onde se encontra a sua missão, sem recuar um único passo.

Desafiar a nós mesmos e polir nosso caráter de acordo com essa mensagem é a tradição da Soka Gakkai. Muitos membros no início de nosso movimento enfrentaram rigorosa oposição no trabalho por conta da prática budista. Mas eles se esforçaram para fazer o melhor, tanto profissionalmente como em sua prática, seguindo a orientação do presidente Toda: “Na fé, faça o trabalho de um; em seu trabalho, faça o trabalho de três”.

A atitude de uma pessoa em seu trabalho reflete sua atitude perante a vida e perante as pessoas. Ela representa suas crenças sobre o real significado da vida. Como jovens que se esforçam e vivem esse juramento, por favor, orem com a forte e resoluta convicção de tornarem-se os melhores funcionários e fazer do local de trabalho, da empresa, ou da organização em que atuam o melhor de todos.

Lembrem-se de que sua vitória ou derrota no trabalho e na vida não dependem do tamanho ou da situação da empresa ou da organização. Tudo depende de vocês. Tudo depende da sua determinação e atitude.


Prezar as pessoas

Seikyo Shimbun: Na edição de março [2012], o senhor mencionou a importância de cumprimentar as pessoas e incentivou os jovens que ingressaram no mercado profissional para que eles apliquem isso no seu dia a dia.

Presidente Ikeda: Uma saudação agradável pode ligar instantaneamente o coração das pessoas. Essa ligação de vida ocorre mesmo que seja a primeira vez que ambos se veem ou se são pessoas com as quais não se simpatizam num primeiro momento.

Não importa se obteve ou não resposta ao seu cumprimento. Quem ganha é quem toma a iniciativa de cumprimentar o outro. O ato de cumprimentar as pessoas é uma arte que reflete o estado de vida.

Já que vão utilizar a voz, se o fizerem de modo radiante, repleta de disposição, isso deixará o ouvinte também feliz. Não hesitem em cumprimentar os outros e em fazer novos amigos. Ao ativarmos a natureza de buda das pessoas, estimulamos a proteção das funções positivas do universo sobre elas.

Quando comecei a trabalhar na empresa do presidente Toda aos 21 anos, decidi adotar dois hábitos: o primeiro, cumprimentar a todos e, inclusive, meus superiores de maneira alegre e radiante; e, em segundo, sempre chegar ao local 30 minutos antes do horário de início para limpar e organizar o escritório.

O gongyo e o daimoku da manhã são os bons presságios da vida para vencer o dia inteiro. O presidente Toda orientou que, exatamente por sermos praticantes do Budismo de Nichiren Daishonin, tínhamos de vencer no início do dia para vencermos ao longo de toda a nossa vida.


Aprendam e cresçam com os próprios erros

Seikyo Shimbun: Ao cometerem uma falha no trabalho, muitos acabam perdendo sua autoconfiança.

Presidente Ikeda: Vocês não devem ver um erro como uma derrota. Ou melhor, para os jovens, os erros e problemas são, na verdade, sinal de progresso. É por estarem avançando que defrontam os ventos contrários. Pode acontecer ainda de vocês tropeçarem e caírem. Se isso ocorrer, não fiquem cabisbaixos, não desanimem. Basta se reerguerem novamente.

O grande empreendedor americano e produtor de filmes Walt Disney (1901-1966) disse: “Eu falhei. E foi por meio disso que aprendi muitas coisas. Acredito que seja muito importante passar por diversos dissabores e cometer erros na juventude”.

Seikyo Shimbun: Há trinta anos, em Nagasaki, o senhor compartilhou algumas orientações sobre aprender com os erros, depois que um membro quebrou acidentalmente um prato muito precioso. O prato era insubstituível, e a pessoa que o quebrou estava inconsolável, não sabia o que fazer para expiar aquela falha. O senhor a encorajou dizendo: “Como você realmente lamenta o que aconteceu, não há necessidade de punir a si mesmo”.

Presidente Ikeda: Sim, recordo-me desse fato. Aprendi isso com o presidente Toda.

Não devemos ser pessoas de coração pequeno que censuram aqueles que já estão genuinamente angustiados e pesarosos com o erro que cometeram. Mesmo agora, passados trinta anos, ele [a pessoa que quebrou o prato]diz que jamais se esqueceu de meu incentivo e, como expressão de sua gratidão, continua a encorajar e a apoiar calorosamente os jovens. Admiro-o sinceramente e zelo por ele.

Espero que os jovens não tenham medo de cometer erros. Naturalmente, ao cometer um erro é importante refletir sobre ele com sinceridade. Mas não há nenhum sentido em deixar que esse erro os deprima e destrua sua autoconfiança. Os erros podem ser uma valiosa lição e experiência de vida. Sempre haverá uma forma de reparar o erro. Não se desesperem. Lembrem-se: “Os erros são a raiz do sucesso”. Acredito que a única e verdadeira derrota é o ato de não tentar nada.



Com base na entrevista publicada no BS, ed. 2.150, 6 out. 2012, p. B2

TAGS:DIÁLOGOS

• comentários •

;