Aprender a cada dia
  • ENTREVISTA

Aprender a cada dia

Conversei com Scott Bower depois de ouvi-lo contar um pouco da sua história numa atividade da BSGI.

Simpático, o jovem californiano se esforça para falar o português e com bom-humor vai descobrindo o novo idioma. “Depois que aprendi a falar ‘beleza’ uso a palavra para tudo! ” (risos).

Ele que dá aulas de inglês, chegou ao Brasil em março e quando perguntado a respeito do futuro, faz planos: “Vou ficar aqui por alguns anos e quero aproveitar meu tempo ao máximo e fazer um mestrado”.

Antes disso, em 2013, o jovem esteve no país executando um projeto social em Minas Gerais. “Foi um programa da organização não-governamental Child Fund Internacional (Fundo Internacional para as Crianças). O projeto era de fotografia e se chamava Olhares em Foco. Fui com um grupo de alunos da Universidade Soka da América para conhecer essa iniciativa promovida numa comunidade na região Vale do Jequitinhonha. A ideia era refletir sobre temas como a família, a localidade, a pobreza, a beleza e mais”, relembra.


Como você conheceu o budismo?

Scott com amigos da Universidade Soka

Eu nasci numa família budista. Minha mãe pratica há mais de 30 anos. Por isso, ela sempre me levava às atividades da Soka Gakkai com minha irmã mais velha quando éramos crianças.

Com os desafios da vida Scott se aprofundou no estudo do budismo. Se dedicou nos estudos e logo entrou na Universidade Soka: "Apesar da rebeldia que eu tinha sobre a prática, quando os obstáculos surgiram, senti que deveria me esforçar e practicar o budismo com mais dedicação e força!  E, foi na Universidade Soka que vários amigos me apoiaram para superar os obstáculo e seguir com mais coragem e esperança", diz.


De que forma tal experiência contribuiu para o seu desenvolvimento como ser humano?

Estudar na Universidade Soka da América contribuiu muito pelo meu desenvolvimento. Acho que aquele ambiente foi importante porque estava o tempo todo em contato com muitas pessoas que queriam mudar o mundo. As conversas dentro e fora da sala de aula me inspiravam a me desenvolver todos os dias. Basicamente aprendi como criar propostas altruísticas em minha profissão, além de ter feito as amizades mais significativas da minha vida.


Hoje, o que você pensa a respeito da unicidade de mestre e discípulo?

Antes de mais nada mestre e discípulo significa ter espírito de procura. Sinto que com meus esforços, a cada dia venho fortalecendo a minha relação com o presidente Ikeda. Isso acontece por meio dos estudos, as atividades da organização e a minha fé.



Num projeto com fotografia, Scott fez amigos em Minas Gerais, MG

Como professor, você aplica esse aprendizado em sala de aula?

Sim! O budismo me faz refletir sobre minha missão no trabalho. Fico pensando que não é por acaso que entrei na área de educação. Por isso, devo me comprometer com todas as minhas forças para me desenvolver a cada dia como um bom professor. Com muita gratidão, quero que os alunos possam desfrutar a alegria de aprender e aplicar todo aprendizado em prol da paz mundial. E, para cumprir esse enorme objetivo sinto que devo ser exemplo para eles. 

Atualmente, sou professor de inglês na escola Soka do Brasil. E nesse momento trabalho com conteúdo extracurricular para que os alunos melhorem suas habilidades de conversação em inglês. No ano que vem vou lecionar para alunos do ensino médio e dar aulas de políticas globais. Com isso, penso que essa é uma grande oportunidade para o meu desenvolvimento e que, a partir das minhas ações, quero inspirar mais e mais jovens a se levantarem em prol da humanidade com responsabilidade por meio da educação.


O projeto foi idealizado pela ONG Child Fund, no Vale do Jequitinhonha, MG

Então você acredita na educação como ferramenta de transformação social?

A educação é a base de toda transformação social. Mas o processo educacional é um caminho longo, que funciona quando mais e mais jovens despertam para o valor da educação. E, como forma de gratidão contribuem pelo desenvolvimento da sua localidade.


Quais são seus planos para o futuro?

Eu quero trabalhar na área da educação ao mesmo tempo em que me desafiarei em meu próprio aprendizado como ser humano. É algo constante e todo o meu esforço refletirá de alguma forma no ambiente em que eu estiver. 




TAGS:ENTREVISTA

• comentários •

;