Budismo é vida diária
  • JUVENTUDE

Budismo é vida diária

Fé — a engrenagem essencial que gera grandes realizações em seu dia a dia

Saborear a felicidade em meio ao drama diário, este é o caminho proposto pelo Budismo de Nichiren Daishonin. Felicidade ou iluminação é quando enxergamos com clareza os fenômenos que nos cercam e temos total liberdade de agir, mesmo em meio às mais desafiadoras adversidades. Ao contrário de viver imerso na escuridão, pois o medo e a angústia de enfrentar e superar os desafios deixam o indivíduo inerte diante da situação.

Por isso, o buda Nichiren Daishonin observa que “o budismo é a própria vida diária”. Em um de seus escritos ele afirma sobre esse conceito: “Uma pessoa de sabedoria não é a que pratica o budismo separadamente dos acontecimentos seculares; ao contrário, ela compreende profundamente os princípios que regem o mundo” (MW, v. I, p. 269).

Sustentar a felicidade diariamente é um grande desafio. Contudo, quando estamos iluminados pela sabedoria budista, cultivamos uma condição interior inabalável e uma atitude mental positiva diante dessa realidade e, como consequência, extraímos valor a partir dos fatos, isso é resultado da iluminação.

Matéria-prima para a felicidade


O presidente da SGI, Dr. Daisaku Ikeda, afirma: “O valor não se encontra apenas na alegria, tampouco o sucesso é o único resultado valioso. O ‘sofrimento é a mãe das realizações’. As preocupações e os fracassos, desde que não sejamos derrotados por eles, possibilitam-nos aprofundar a fé. Nossos sofrimentos tornam-se a matéria-prima com a qual construímos a felicidade” (PHJ, p. 131).

Praticar o Budismo de Nichiren Daishonin é compreender que tudo pode ser transformado em benefício. O exercício budista é constante e diário, com ele é possível alcançar essa compreensão e força interior inflexível. Por isso, a prática budista é realizada em meio à vida diária.

O que faz o budismo se tornar a própria vida diária é o comportamento daqueles que o praticam. Suas ações são resultado de sua consciência interna. “A vida é definitivamente a manifestação de nossa realidade interior” (Diário da Juventude, p. 359), assim afirma o líder da SGI.

Máxima energia vital


A recitação do Nam-myoho-renge-kyo com fé, o comportamento alicerçado na filosofia de Nichiren Daishonin e os direcionamentos do presidente Ikeda são a base para que possamos expandir a energia vital e, como resultado, conduzimos uma vida de grandes realizações. “Por meio da prática, devemos manifestar uma vigorosa energia vital e grande sabedoria para superar gloriosamente todas as adversidades. Aí se encontra a verdadeira atitude da pessoa que põe em prática os ensinamentos budistas. Pode-se dizer que essa pessoa compreende ‘o significado das leis da sociedade’. O pensamento leviano de que ‘como estou praticando, este problema se resolverá de alguma forma’ é um erro. Justamente por estarmos praticando é que precisamos orar firmemente para solucionar os problemas imediatos e a partir daí manifestarmos a vigorosa energia vital, empenhando-nos ao máximo em busca de soluções sábias, alcançando assim os resultados positivos. Isto é, em suma, o princípio de que ‘a prática da fé é a própria vida diária’.” (Coletânea de Orientações, vol. I)

Portanto, “budismo é a própria vida diária” quando, a cada instante, praticamos o budismo e em nosso comportamento reflete a sua profundidade e grandiosidade.

Fonte:

Brasil Seikyo, ed. 2309, 30 jan. 2016, p. A9
TAGS:JUVENTUDE

• comentários •

;