É preciso dar o primeiro passo!
  • ENTREVISTA

É preciso dar o primeiro passo!

Dr. Sidney Tojer fala a respeito do tema A Depressão Segundo a Ótica da Neurociência e do Budismo abordado na palestra do Departamento de Saúde da BSGI

No dia 21 de maio o  Departamento de Saúde da BSGI (DEPAS) promoveu a palestra  A Depressão Segundo a Ótica da Neurociência e do Budismo com a participação da professora Dra. Edna Bertini, que apresentou a visão do ser humano em sua totalidade e integridade a partir da Neurociência. Ela se atentou a fazer o público compreender a importância das dimensões biopsicossocial em torno da saúde e doença.
Representando o DEPAS, o Dr. Sidney Tojer expôs que,  no budismo,  a prática do
daimoku contribui para o bem-estar físico e mental, e que vencer a depressão é algo que parte da determinação da pessoa.
Ele, que atende no Núcleo de Orientação Social da BSGI (NOS), conversou com o
SeikyoPost sobre a ótica budista acerca desta doença. Confira!


Quais são as possíveis causas da depressão?

A depressão existe quando não cuidamos de nós. Não há mais valorização do ser humano e não se reconhece mais a dignidade da vida.
A depressão é um quadro persistente. Ela não se associa a algum fato, por exemplo, perdi meu pai, minha mãe. Não é isso. A tristeza muitas vezes é um fator desencadeante. A depressão é uma forma de pensar da pessoa, é a cognição.
A pessoa deprimida, se falhou uma vez não vai analisar o fato, ela esquece tudo o que conquistou e somente foca naquilo que deu errado. Com isso, se sente perdida.
Futuramente, ela está fadada a ser infeliz. A doença traz uma desesperança muito grande. Quem está doente tem dificuldade até mesmo de ler, estudar, conviver, pois quer se isolar, sente insônia, falta de apetite etc.


Como podemos superar essa doença por meio da prática budista?


A prática budista faz com que nos encontremos. Pelo fato de reservarmos diariamente um tempo para nós mesmos (recitando gongyo e daimoku), participarmos das atividades e estudarmos o budismo, passamos a compreender a totalidade da vida. Isso traz esperança de viver, vontade de comemorar e ter a certeza da vitória diante dos desafios.
A importância da fé, em um tratamento, é muito importante. O estudo e a prática do daimoku (que além de tudo abarca a meditação), faz agora reconfigurar o nosso cérebro.
No budismo recebemos uma influência muito boa de nossos companheiros. além disso, este ambiente da Soka Gakkai nos fortalece com incentivos como: "você vai vencer!", leva esperança para as pessoas e as encoraja.



Como devemos agir com as pessoas que estão acometidas pela depressão?

Precisamos criar empatia com as pessoas, ou seja, nos colocarmos no lugar do outro, como o presidente Ikeda diz na última  Proposta de Paz.
Eu vejo que a prática budista não é apenas recitar daimoku. É importante empreender ações para os outros. Existe um significado para você sofrer. Carma é missão e se você não estuda, não conseguirá entender, nem ajudar os outros.
A prática é uma reconfirmarão que eu vou vencer e fazer com que as pessoas vençam também. Isso é ter compaixão e empatia pelas alegrias e sofrimentos das pessoas.
Quando eu me coloco no lugar do outro passo a contribuir para que esse indivíduo vença em tudo!


De que forma é possível conciliar o tratamento médico e a fé?

Hoje as pessoas querem respostas rápidas e colocam todo o peso no remédio, mas a pessoa precisa querer mudar.
O budismo é maravilhoso no sentido de fazer que que tomemos as rédeas da nossa vida perante um sofrimento. Lemos orientação de Ikeda sensei e isso é uma bússola. Só não muda quem não quer! Essa palestra trouxe uma grande mensagem que é pôr toda teoria em ação: tomar iniciativa. O mais importante é a pessoa tomar a iniciativa de tomar a mudança para si. Agindo assim, ela será mais feliz!


Nesse sentido, tomar a iniciativa é como firmar um juramento?


Sim. Li certa vez que, quando tomamos uma decisão que não vai mais ter volta, ela torna-se um juramento. Quando manifestamos essa decisão, inclusive já colhemos o resultado. A doença fortalece a vida. A vida fica maior gerando um novo significado para ela. Basta a pessoa encarar o desafio. A doença, na verdade, é uma busca para o estado de buda, pois ela (doença) faz buscar este caminho. Se a pessoa se encoraja a vencer, ela manifesta o estado de buda. A verdadeira natureza da vida é fazer identificar que somos pessoas capazes de superar e transformar todas as questões.










TAGS:ENTREVISTA

• comentários •

;