Inspire as pessoas ao seu redor
  • ENTREVISTA

Inspire as pessoas ao seu redor

Em meio às atividades comemorativas do aniversário da Divisão Masculina de Jovens, conversamos com Fábio Endo sobre aplicar o budismo na vida: "A vida não é separada da prática budista. Um exemplo é que a todo momento podemos evidenciar o potencial de buda inerente e transformar qualquer situação", diz.

Ele também fala a respeito das transformações sociais e como cada um pode fazer da sua circunstância um impulso para o próprio desenvolvimento. 


Um objetivo pessoal pode mudar a realidade da pessoa e a vida dos que estão à sua volta?

Às vezes ao conseguirmos atingir um objetivo ficamos com uma sensação de que “ainda falta algo” ou “achei que estaria mais feliz ao concretizar”. Nesse sentido, acredito que o principal ponto que aprendemos com o budismo é dar um significado para nossos objetivos.

Buscar uma meta pessoal é essencial para avançarmos como seres humanos, mas transformar cada objetivo na finalidade de nossa vida nos faz fechar os olhos para a maneira como uma mudança na minha vida pode inspirar as pessoas (e o ambiente) ao meu redor.

Quando os sonhos deixam de ser a “finalidade da nossa vida” e passam a ser um meio de transformação da própria vida de maneira é que conseguimos mudar o ambiente.


E, o que é aplicar o budismo no cotidiano?

Não adianta tentar separar o budismo dos aspectos da vida. Isso porque não existe um Fábio “budista”; um Fábio “trabalhador”; um Fábio “amigo” etc. Tudo que fazemos no nosso dia a dia é que nos torna indivíduos completos. 

O que precisamos definir é qual será a nossa “linha mestra”. Quando colocamos o budismo como base, conseguimos avançar em todos os aspectos. O buda Nichiren Daishonin diz: “O budismo é como o corpo, e a sociedade, a sombra”. Se baseamos nossa vida no budismo (corpo), conseguimos mudar qualquer circunstância na sociedade (sombra).

Recentemente, o presidente Ikeda orientou: “Originariamente, o ensinamento do budismo deve se tornar um preceito de um modo de vida. Se errar neste ponto, acabará se desviando significativamente do caminho da fé". (BS, ed. 2.328)


No da a dia, por que é tão difícil dar continuidade na prática?

O que torna a continuidade difícil é que ouvimos o tempo todo que nossa felicidade depende de algo externo, de alguém, de algo… e uma hora acabamos acredito nisso. Isso é ilusão. E, para conseguir dar continuidade à prática devemos relembrar todos os dias que o potencial para eu me tornar feliz existe apenas dentro de mim e o único responsável por manifestar isso sou eu.

A base para isso é a recitação do Nam-myoho-renge-kyo diante do Gohonzon com a profunda convicção de que eu vou tornar concreto todos os meus objetivos e minha vida vai inspirar a mudança ao meu redor. O desafio nesse sentido é muito importante. É uma luta constante entre a iluminação que existe na minha vida contra a escuridão que o cotidiano tenta trazer para nossa mente.


Nesse sentido, a convicção fortalece a fé?

Sim, sem dúvida. O budismo ensina que o primeiro ponto para manifestar o estado de buda é acreditar que ele existe em nossa vida. Nesse sentido, manifestamos a fé no Nam-myoho-renge-kyo, quando atingimos um objetivo, o que gera mais convicção de que recitando o daimoku iremos vencer; é um ciclo.

Esse ciclo nos leva a aprofundar tanto a fé quanto a convicção. O segundo presidente da Soka Gakkai, Josei Toda, dizia: “Você é realmente uma pessoa de forte fé se tiver a profunda convicção de que tudo ficará bem porque você tem o Gohonzon, que você ficará bem porque você ora para o Gohonzon. Você sabe que não precisa se preocupar em ter de fazer isto ou aquilo, ou como as coisas vão acontecer. Você mantém o Gohonzon. Você orou diante dele esta manhã, você está mantendo-o agora. Se tiver a convicção de que ficará tudo bem na sua vida, então ficará. A partir de hoje, adote esta atitude. Não há a menor dúvida de que você se tornará feliz” (Terceira Civilização, ed. 565, set. 2015, p. 46).

Para Fábio, um ambiente pacífico se dá à partir da mudança individual  
 

O que é kosen-rufu para você?

Aprendemos que kosen-rufu é a paz mundial a partir da propagação do budismo. Apesar dessa definição, penso que cada um deve dar uma perspectiva clara para a vida e se desafiar para torná-la real. Por exemplo, não adianta você falar de paz mundial, se não tem paz nem com você mesmo, ou com as pessoas que convivem com você. Devem pensar que, quando eu venço, inspiro a mudança ao meu redor e isso cria uma onda. Quando essa onda é baseada na transformação do indivíduo, a revolução humana, (ou seja, com base na prática da fé) o kosen-rufu avança.

Ou seja, o kosen-rufu é o nosso desafio individual de conquistar a felicidade por meio da prática da fé, com o desejo de manifestar o estado de buda e inspirar mais pessoas a fazerem o mesmo.

TAGS:ENTREVISTA,O QUE MOTIVA VOCE

• comentários •

;