Manifestar sabedoria, habilidade e criatividade
  • FAMÍLIA

Manifestar sabedoria, habilidade e criatividade

Texto extraído do artigo “Diálogo sobre Mães e Filhos do Século 21”, publicado no jornal Brasil Seikyo, ed. 2.367, 15 abr. 2017, A7.


Comer e dormir são atividades essenciais para o desenvolvimento da criança. Se ela não se alimentar e repousar regularmente, poderá apresentar deficiências que comprometerão seu crescimento. Estipular uma “rotina” lhes assegura um desenvolvimento mais tranquilo.

Os pais precisam, por meio do diálogo constante, estimular as crianças a adotar bons hábitos. O estabelecimento desse ritmo diário não depende do tempo ou da quantidade de horas que passam com os filhos, mas da sabedoria, habilidade e criatividade dos responsáveis por eles.

Como manter um ambiente estável no qual a criança possa se desenvolver? Esse, creio eu, é o desafio mais importante dos pais, e espero que o considerem com seriedade.

Os pais devem priorizar a dieta alimentar das crianças para que elas cresçam fortes física e mentalmente. As refeições são a base da vida diária das pessoas. São ocasiões em que a família pode se reunir à mesa e conversar de forma descontraída. Com frequência, o presidente Josei Toda dizia que conseguimos abrir facilmente o coração quando nos engajamos em conversas durante as refeições. Eu próprio tive a oportunidade de incentivar muitas pessoas em momentos como esses.

Não há necessidade de a mãe se sentir constrangida ou desencorajada perante os filhos pelo fato de a situação em que vivem estar longe de ser a “ideal”. É a forte determinação dela que fará com que a atual circunstância mude para melhor. Se agir com sabedoria e benevolência, compartilhará esses valores com as crianças, educando-as para se tornar verdadeiros seres humanos de grande valor. A felicidade não depende dos bens adquiridos, tampouco das aparências ou mudanças externas.

Toda sensei afirmava que experimentamos a verdadeira felicidade quando desenvolvemos nossa condição de vida. Isso nos possibilita sermos autênticos e desfrutarmos uma vida de alegria, independentemente da circunstância. Podemos ser como atores numa peça teatral e nosso lar pode ser transformado num “grande palco” de felicidade, dependendo da determinação da “diretora” — a mãe.

Os adultos muitas vezes não conseguem dimensionar as preocupações que ocupam a mente das crianças com relação aos estudos. Se a dificuldade que elas sentem for muito grande, o coração de cada uma mergulhará na melancolia. Em particular, a transferência de uma escola para outra apresenta imensuráveis desafios para os pequenos; por exemplo, fazerem novas amizades, acostumarem-se com os novos horários, entre outros. Todas essas mudanças podem desmotivá-los. Essa condição provavelmente se modificará se a família, os amigos e os professores apoiarem e envolverem as crianças com carinho.

É natural as pessoas se sentirem ansiosas quando deixam o ambiente familiar para iniciar algo. Isso acontece quando as crianças ingressam na educação infantil ou têm de ficar longe da mãe por algumas horas.

Tudo é novo e estranho para elas: a sala de aula, os professores e a própria situação de terem de conviver em grupo. Mas, depois de certo tempo, ficam tão absortas nas brincadeiras com os colegas de classe que até se esquecem um pouco da mãe. Isso ilustra a capacidade de adaptação das crianças.

Quando a criança se sente triste, o profundo laço que a une à mãe e a certeza de que será recebida com carinho ao chegar a casa são aspectos que dão a ela coragem para superar as dificuldades de adaptação ao novo ambiente.

 

TAGS:FAMÍLIA

• comentários •

;