Um novo modelo de civilização consciente
  • ENTREVISTA

Um novo modelo de civilização consciente

Cintia Okamura fala sobre as diversas propostas do Instituto Soka Cepeam

Cintia Okamura é socióloga e psicóloga ambiental, cursou mestrado profissional na área de psicologia ambiental na Universidade Paris V e doutorado na Universidade de São Paulo. É coordenadora do Departamento de Cientistas da BSGI (Depac) e pratica o budismo há 24 anos.


Nota do redator: Ainda na adolescência Cintia se sentia incomodada com as questões ambientais e sociais, e isso fez com que ela se engajasse cada vez mais na luta pela dignidade da vida junto a um ambiente sustentável. Somada aos ideais da Soka Gakkai, sua inquietação a transformou numa grande pesquisadora e hoje, desenvolve um amplo trabalho de conscientização e preservação ambiental na Amazônia. Quando perguntada a respeito de sua motivação para desenvolver tais empreendimentos, cita: "Acredito que o objetivo da criação do Cepeam está além do ideal de contribuir para a proteção, manejo e conservação dos ecossistemas amazônicos, mas refere-se, acima de tudo, contribuir com o patrimônio da humanidade. Desta forma, cabe a nós concretizarmos os anseios do presidente Ikeda, tornado o instituto referência mundial".


Como você atua no Cepeam?

Como coordenadora do Departamento de Cientistas da BSGI (Depac), desde 2005 tenho buscado estreitar a colaboração entre o Depac e o centro de projetos. A partir de 2014, o Cepeam se tornou o Instituto Soka Cepeam – Centro de Projetos e Estudos Ambientais do Amazonas, com o objetivo de consolidar os projetos e pesquisas há muito tempo sonhados pela instituição. Assim, junto com o atual diretor-presidente, Akira Sato, tenho me empenhado para tornar o instituto um reconhecido centro de pesquisas científicas e projetos ambientais voltados para a promoção do bem comum e para a construção de um novo modelo de civilização pelo conhecimento e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos naturais da Amazônia.


Em 2015, o Cepeam e o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) iniciaram um projeto de cooperação internacional e interdisciplinar. Quais são os objetivos dessa parceria?

Essa iniciativa envolve equipes de pesquisa, junto com o Cepeam, das seguintes instituições: Faculdade de Saúde Pública da USP, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), o Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS), o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), a Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Essa cooperação tem sido muito produtiva e, no momento, estamos empenhados na construção de um projeto que visa enfrentar os problemas relacionados à contaminação dos recursos hídricos e à degradação ambiental do Amazonas. Desta forma, será implementando um Programa Ambiental Participativo para sensibilizar a população e, também serão instalados fóruns participativos envolvendo tanto os moradores como as instituições.


O Cepeam atua em três frentes: sementes e reflorestamento, intercâmbio científico e educação ambiental. O que tem sido feito efetivamente em cada uma delas?

No que se refere à frente sementes e reflorestamento, o CEPEAM tem um projeto de produção de mudas, sendo que em 2015 foram semeadas cerca de 5 mil mudas, com sementes coletadas na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Nazaré das Lajes e em áreas próximas ao Distrito Industrial II de Manaus. Foram produzidas mudas madeireiras variadas e diversas entidades foram beneficiadas com essas ações.

Em relação ao intercâmbio científico, o Cepeam vem sediando e promovendo workshops, conferências e encontros, a fim de debater sobre os desafios para fazer face à problemática ambiental. Aconteceu, recentemente, um ciclo de palestras, promovido pelo Cepeam, voltado para estudantes da rede pública de ensino, proferidas por diversos pesquisadores do INPA da área de Recursos Hídricos. Outra ação, refere-se à parceria com o Centro de Sementes Nativas do Amazonas – CSNAM, na qual estão sendo feitas as inscrições para o “Curso Internacional para Identificação e Coleta de Sementes”.

Com relação à educação ambiental, destacamos o Projeto Zona Leste, em parceria com o Museu Amazônico, que tem como objetivo apresentar o sítio arqueológico Dr. Daisaku Ikeda aos alunos e professores da Zona Leste de Manaus; o projeto em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semed), que tem como objetivo a visitação à RPPN Nazaré das Lajes e todas as peculiaridades que esta abriga como: lago, sítio arqueológico, área reflorestada, além de uma fauna e flora exuberante; e o projeto de mutirão de limpeza e conscientização ambiental em parceria com o Instituto Novos Caminhos.


Quais são os projetos futuros do Instituto Soka Cepeam?

Estamos muito animados para implementar um programa de educação ambiental participativo, cujo objetivo é engajar pouco a pouco e de forma crescente a população e as instituições amazonenses para a construção de um Amazonas sustentável e justo.

Os próximo passos são consolidar os projetos de pesquisa e as cooperações nacionais e internacionais em um campo interdisciplinar, e colocar o Cepeam na linha frente na criação de um movimento crescente de pessoas que atuam para a sustentabilidade do Amazonas e do planeta.



Quer saber mais sobre o Instituto Soka Cepeam? Acesse: Cepeam
TAGS:ENTREVISTA

• comentários •

;