Indestrutível como um diamante!
  • CONHEÇA O BUDISMO

Indestrutível como um diamante!

Tudo depende do que está em nosso coração. É ele quem determina qual o objetivo da sua vida e qual futuro espera para si mesmo

Para o Budismo Nichiren, espírito significa estado interior de vida, sua determinação ou ichinen. O espírito é o que dá a direção da fé de uma pessoa.


O espírito é a oração fundamental em que baseamos nossas experiências. O espírito de uma pessoa é invisível, mas se torna manifesto no momento crucial.


Isso significa que, em todos os momentos ele controla tudo em uma pessoa. Por essa razão, é o determinante essencial da vida de alguém.


Em termos simples, o espírito é o coração do ser humano. Por isso, no Budismo Nichiren, “o que importa é o coração”.


O coração é como um pintor

O presidente Ikeda escreveu: “O sutra Kegon afirma: ‘O coração é como um pintor hábil.’ Assim como um grande pintor, o coração cria livremente representações de todas as coisas. Seus corações são o designer, o pintor, o escultor e o arquiteto de nosso ser”.


O mestre Tiantai usou a imagem de um grande pintor para explicar que o coração (ichinen) manifesta os três mil mundos de todos os fenômenos (sanzen).


E o presidente Ikeda faz a descrição prática do ichinen sanzen: “É o espírito de uma pessoa, o ‘momento da vida’, que importa. Esse espírito são suas esperanças e orações. Pode também ser identificado como subconsciente".


E, quem comanda o espírito?

A pessoa é a protagonista. Ela é quem determina qual o objetivo da sua vida, qual futuro espera para si mesma e o tipo de personalidade que desenvolverá.


“O importante é pintar essa visão de sua vida tão detalhadamente quanto possível. Essa 'pintura' torna-se o desígnio de seu futuro. O poder do coração possibilita-nos realmente executar com nossa vida uma maravilhosa obra-prima de acordo com esse desígnio. Esta é a doutrina dos três mil mundos num único momento da vida”, explica o presidente Ikeda.


Quanto mais específico, melhor

Ele continua: “Quanto mais específicas e detalhadas as impressões que temos em nosso coração, melhor. A questão é continuar a pintar vividamente o alvo que temos para nós mesmos e avançar rumo a esse objetivo determinadamente. Então, a cada instante, a realidade de nossa vida gradualmente se aproximará da pintura que é nossa aspiração.”


O que importa é o coração

Tudo depende do que está em nosso coração e Nichiren Daishonin provou isso com sua vida. Mesmo em meio às condições desoladas de Sado, ele diz que sentiu “imensa alegria”. Em outra carta escrita em Sado, Daishonin promete calmamente: “Embora o lorde de Kamakura possa continuar a recusar o perdão a Nichiren, eu chamarei as entidades celestiais e retornarei a Kamakura”.


O retorno triunfal

Fiel a suas palavras, Nichiren Daishonin fez um retorno triunfal a Kamakura. Sua vitória sobre dificuldades terríveis da ilha de Sado é certamente uma prova do princípio de ichinen sanzen.


Este é um exemplo de como usar o poder do espírito para atingir o estado de buda, tal como o próprio buda diz: “Mesmo os mortais comuns podem atingir o estado de buda se acalentarem uma sincera fé”.


Como fazê-lo?

Basta possuir um “espírito de fé” que é o espírito direcionado ao kosen-rufu. Manifestar o estado de buda depende se existe este “espírito de fé” ou não.


“Ter um espírito de fé produz benefícios e boa sorte que não ficam limitados apenas a esta existência, mas abrangem o passado, o presente e o futuro.


Alguém que direciona seu espírito ao kosen-rufu adorna sua vida com as joias de boa sorte e felicidade. E conquista uma vida na qual os sonhos, um após outro, serão realizados.


Indestrutível como um diamante

“Nosso espírito muda nosso ser. Ele muda nossa vida. Por que o Buda tem uma vida tão indestrutível quanto o diamante? Em resposta a essa questão, Shakyamuni explica que é porque ele protege resoluta e plenamente a Lei Mística. Ter um forte espírito pelo kosen-rufu possibilita-nos desenvolver uma vida como o diamante, finaliza o presidente Ikeda”.


Fonte: Terceira Civilização, ed. 512, 9 abr. 2011, p. 48
TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;