Pare de contar a fortuna do seu vizinho
  • CONHEÇA O BUDISMO

Pare de contar a fortuna do seu vizinho

Recite daimoku com a convicção de que há tesouros inimagináveis em você mesmo

Tem coisa pior que contar dinheiro que não é seu?!


Imaginem que frustrante contar por horas uma montanha de dinheiro do vizinho, e no final, como consta nos escritos de Daishonin, “não consegue obter sequer um tostão para si.”


O mesmo vale para a prática do Budismo Nichiren. Tem que acreditar que há tesouros inimagináveis em você mesmo. E recitar daimoku com essa convicção.


Daishonin deixa claro:

“Mesmo que recite e acredite no Myoho-renge-kyo, se pensa que a Lei existe fora do seu coração, o senhor não está abraçando a Lei Mística, mas um ensino inferior. [...] Se buscar a iluminação fora de si mesmo, então, mesmo que realize dez mil práticas e dez mil boas ações, tudo será em vão. É o mesmo caso de um homem pobre que passa dia e noite contando a riqueza de seu vizinho e não consegue obter sequer um tostão para si”


[Sobre Atingir o Estado de Buda Nesta Existência].

Ter fé no princípio de que a Lei (a felicidade) está em você é encontrar em si mesmo tesouros incalculáveis.

Não acreditar nesse princípio é “abraçar um ensino inferior” e, mesmo que recite daimoku, não experimenta a “infinita alegria da Lei” e a prática torna-se algo “angustiante e sem fim”.


Momentos críticos

Isso é muito sério. A diferença entre ter fé ou não nesse princípio define, por exemplo, se você, nos momentos críticos, extrai força necessária para vencer.


Acredite. Você é o Nam-myoho-renge-kyo. Portanto, é tolice buscar explicações e justificativas para seus problemas em outras pessoas. A solução está dentro de você — sempre!


A fé é crucial. Fé é o seu íntimo: sua força interna. A recitação do Nam-myoho-renge-kyo deve nascer do seu desejo mais profundo e sincero de romper de uma vez por todas tudo que te algema. Daimoku é seu grito de liberdade: “Chega! Basta! Vou mergulhar de corpo e alma na luta pelo kosen-rufu e transformar agora mesmo minha realidade!”


Chance de ouro

Onde você testa seu poder? Diante de dificuldades — óbvio. Quando aparecem as dificuldades é a hora de provar que há tesouros em você: força, confiança, entusiasmo, sabedoria, poder de realização. E você?! Na hora crucial, reclama, lamenta, busca explicações em teorias desconjuradas, acha culpados e investe sua energia e inteligência em pensar, criticar e falar mal das pessoas. Nada acontece — isso tudo é buscar a Lei fora de si mesmo: é nefasto e anula a boa sorte.


O Dr. Ikeda analisa o perigo de buscar a Lei fora de si:

“Quem tem medo de dificuldades e lamenta as circunstâncias, vive com base na crença de que a Lei está fora de si mesmo. Essa pessoa não tem confiança em sua própria capacidade para resolver seus problemas e sempre procura alguém na esperança de que a salve, ou para culpar pelos seus sofrimentos. Por fim, ela acaba se entregando à resignação e ao desespero”.


A chave da mudança

“A chave para realizar uma profunda mudança interior está em nosso coração, em nossa atitude mental básica. [...] A essência da recitação do daimoku está na luta interior para vencer nossa ignorância”, cita o Dr. Ikeda.


Revolução humana é recitar Nam-myoho-renge-kyo para dentro de si mesmo, iluminando os cantos escuros da sua alma e te preenchendo com muito vigor, entusiasmo, coragem.


Nada é mais empolgante que recitar daimoku percebendo a Lei Mística em si mesmo: é a emoção de um alpinista que acaba de atingir o topo da mais alta montanha.


Ikeda reforça ainda mais: “Contudo, se nos esquecermos da advertência de Nichiren e buscarmos a Lei fora de nós, perdemos de vista o caminho correto para a iluminação universal e, na realidade, estamos praticando um ensinamento não-budista. Por essa razão, Daishonin é rigoroso acerca desse ponto”.


Portanto, não esqueça! — recite e propague o Nam-myoho-renge-kyo com entusiasmo e confiança, passo a passo, sempre adiante. E tenha certeza que seu “novo destino” está dentro de você, nasce em você.


Título: 
Brasil Seikyo, ed. 2.192, 24 ago. 2013, p. A4
TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;