Shakubuku: como fazê-lo?
  • CONHEÇA O BUDISMO

Shakubuku: como fazê-lo?

Daishonin revelou o Nam-myoho-renge-kyo para que fosse propagado

O que é shakubuku?

Shakubuku, segundo o presidente Ikeda, é “a prática de profundo respeito pela própria natureza de buda e a dos outros”. O shakubuku acontece por meio das ações de alguém que despertou para a verdade de que ela própria é um buda. Esse ato faz a pessoa conduzir os outros a manifestar a mesma condição.


Ensinamento correto

A verdade de que todos os seres vivos são budas é o princípio da Iluminação Universal revelado no Sutra do Lótus. Esse princípio fundamental define o “ensinamento correto” para a iluminação.


A prática da fé diante do Gohonzon faz a pessoa naturalmente despertar e viver de acordo com o princípio da Iluminação Universal. Por isso, shakubuku é a propagação do Gohonzon.


Um modo de vida

Uma pessoa que age com a sabedoria e a benevolência de um buda, em qualquer circunstância, é alguém que realiza a prática do shakubuku. Por isso, o ponto inicial é acreditar na prática do shakubuku como um modo de vida, um comportamento baseado no estado de buda. Ao agir assim, o ser humano concretiza sua revolução humana. Tal conceito não dá margem para interpretação ou ações equivocadas, pois desperta uma postura ativa e comprometida com a mudança de quem faz o shakubuku (o apresentador).


A solução

É difícil alguém acreditar que ela mesma é um buda. Mais difícil ainda é acreditar que os outros o são. Então, a pessoa vive na ilusão e não é capaz de manifestar a sabedoria do buda. Consequentemente, não se sente capaz de propagar. Para solucionar essa questão, Nichiren Daishonin revelou o Gohonzon e o Nam-myoho-renge-kyo para que fossem propagados e confiou aos discípulos essa tarefa. Ao propagar, os discípulos agem como um buda. E desfrutam dos benefícios do estado de buda. “O benefício de fazer shakubuku é infinito.”


Agir como um buda

Em resumo, recitar o daimoku com o desejo de propagar significa que a pessoa acredita que é um buda. E propagar o Gohonzon significa que ela acredita que a outra pessoa também é um buda.


No Sutra do Lótus consta: “Se os senhores se basearem nesse espírito, então, mesmo que encontrem dificuldades, certamente poderão conduzir as pessoas à iluminação assim como o Buda fez”.


Sobre propagar o budismo

O presidente Ikeda orienta: “Propagar não significa forçar alguém a alguma coisa, nem é algo em prol da organização. A propagação é um ato de venerar a natureza de buda na vida dos outros. Portanto, nossos esforços no shakubuku devem ser motivados pelo máximo respeito pela outra pessoa. O presidente Toda dizia: ‘A base para fazer o shakubuku é um sentimento de solidariedade para com os sofrimentos dos outros. Benevolência é fundamental. Não se propaga o budismo com um espírito de confrontação, tentando refutar as ideias de alguém e ‘conquistar’ a pessoa para o seu lado”.


Um mestre do diálogo

Ele continua: “Não pode ser chamado de diálogo quando uma pessoa constantemente interrompe enquanto a outra está tentando expressar sua opinião, e então formula conclusões radicais. Mesmo que vocês achem que o que alguém está dizendo é um pouco esquisito, em vez de fazer constantemente objeções, deveriam ter a mente ampla para tentar entender seus pontos de vista. Então a pessoa se sentirá segura e poderá ouvir o que têm a dizer. Nesse sentido, um buda é realmente um mestre no diálogo. Shakyamuni e Nichiren tinham personalidades calorosas que apenas por encontrá-los já proporcionavam às pessoas um sentimento de imensa alegria. Provavelmente, por isso, muitas pessoas tinham um grande prazer em ouvir suas palavras”.


Qual o segredo para propagar o budismo?

Orar. O presidente Ikeda diz: “O ponto principal é orar para que a sinceridade de uma pessoa seja compreendida por outra. A sabedoria surge da oração. A oração dá origem à confiança e à alegria”.


O que define a vitória no shakubuku?

Quem define a vitória na concretização do shakubuku é o apresentador. É fundamental não pensar no shakubuku como prática em que só a outra pessoa tem de mudar. Não devemos imaginar que a propagação é uma disputa fanática para provar nosso ponto de vista. Transmitir a alegria da recitação do Nam-myoho-renge-kyo, a convicção da força da fé na Lei Mística e o sincero desejo pela felicidade do indivíduo é propagar o budismo.


Fonte:
Brasil Seikyo,
ed. 2.065, 1 jan. 2011, p. A8
TAGS:CONHEÇA O BUDISMO

• comentários •

;