Vencer significa recusar-se a ser derrotado
  • ARTIGOS

Vencer significa recusar-se a ser derrotado

Presidente Ikeda conclama às integrantes da Divisão Feminina de Jovens que vivam com espírito invencível

Com base no discurso do presidente Ikeda adaptado da série de ensaios, “A Luz do Século do Humanismo,” publicado em japonês no jornal Seikyo Shimbun, em 13 de novembro de 2004.


Fé equivale à vida diária, e o budismo se expressa na sociedade. É inconcebível, portanto, que a nossa prática budista e os ensinamentos do budismo deixem de nos auxiliar em nosso cotidiano e na sociedade ou de nos tornar felizes.


Todos experimentamos problemas, tristezas e sofrimentos. Mas os sofrimentos decorrentes dos desejos mundanos são o trampolim para a iluminação. Quanto mais sofremos, mais a nossa vida se expande. Esse é o princípio essencial da Lei Mística.


Mesmo que estejamos, por exemplo, enfrentando uma situação dolorosa como as chamas do inferno, podemos transformá-la sem falta na felicidade da Terra da Luz Tranquila.


A ausência de problemas e sofrimentos não consiste em felicidade. Recusar-se a ser derrotado, ser capaz de suportar o que surja em nosso caminho — isso é felicidade.


Não obstante possamos estar enfrentando muitas pressões, levando as pessoas que fazem parte de nossa vida a comentar como são árduas as nossas circunstâncias, precisamos apenas seguir avançando calma e diligentemente na estrada de nossa missão. É assim que fazemos a poderosa energia vital do Buda — que também é conhecido como Aquele que Consegue Suportar — brotar em nossa vida.


As pessoas que experimentarem os maiores sofrimentos alcançarão a felicidade suprema. Jamais se esqueçam de que a felicidade é uma flor que desabrocha no solo da paciente perseverança.


Um dos lemas de minha esposa, que foi integrante da primeira turma da Divisão Feminina de Jovens, era:

Hoje, novamente, não seja derrotada, Hoje, novamente, evidencie coragem, Empreendendo progressos Na estrada de seu juramento. Na estrada da vitória.


Aqueles que não permitem que nada os vença são vitoriosos. Em especial, os que vivem de maneira invencível, mantendo as convicções que jurou sustentar durante a juventude, são os mais fortes e admiráveis de todos.


Pessoas capazes de tornar os outros felizes conhecem a felicidade genuína.


A verdadeira vitória traduz-se em se tornar brilhante como o sol, que ilumina a vida de todos à sua volta. No coração de uma pessoa assim a bandeira da felicidade tremulará orgulhosa, ostentando espírito de autoconfiança e autoestima.


A bandeira da vitória não adorna uma vida de inércia. A bandeira da felicidade não tremula onde a fé não é acompanhada de ação. Nesse nobre e significativo período de sua juventude, e por toda a vida, vença cada obstáculo sem ser derrotado, seguindo em frente pela estrada que escolheu, com a radiante luz da vitória brilhando como o sol da manhã em seu coração.


Esse é o modo de vida mais genuinamente humano. Esse é o espírito do Budismo de Nichiren Daishonin. Essa é a essência de nossa prática budista.


“Dificuldades surgirão, e elas deverão ser consideradas [paz e tranquilidade]” — lembremo-nos sempre dessas palavras profundas de Daishonin.


Fonte: Brasil Seikyo, ed. 2.281, 27 jun. 2015, p. B2
TAGS:ARTIGOS

• comentários •

;