Mãe empreendedora
  • JUVENTUDE

Mãe empreendedora

Já ouvimos falar que existe o termo “mulher empreendedora”, mas será que é certo nos referir ao termo “mãe empreendedora”? Vamos refletir sobre alguns pontos.

Creio que de uma maneira geral, o termo “mãe empreendedora” é quase um pleonasmo. É como dizer “subir para cima” ou “descer para baixo”, pois quando uma mulher engravida, ela se transforma em uma empreendedora por dar à luz o que há de mais importante na face da Terra: um ser humano com o potencial de buda.

De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em 2015, havia mais de 7,3 milhões de mulheres empreendedoras no Brasil, que corresponde a 31,1% do total de empreendedores que existem no país. Cabe destacar que elas são responsáveis por gerar mais de 23 milhões de empregos em nosso país!

Por isso, temos que bater palmas para todas as mães empreendedoras que enfrentam grandes desafios em busca da realização de seus objetivos. Vale considerar também que muitas empreendem por necessidade, ou seja, por não terem outra opção; enquanto outras decidem empreender por oportunidade, por terem identificado um nicho de mercado ou um setor pouco ou mal explorado.

No artigo Empreendedorismo & Sucesso apresentamos as 10 principais características e comportamentos que classificam os empreendedores. As mulheres têm alguns aspectos bem interessantes, mas em especial as mães. Por quê?

As mães precisam administrar bem seu tempo para cuidar do trabalho (em casa ou fora dela), da família, dos afazeres do cotidiano, da organização, da escola ou da faculdade (sua ou a dos filhos), ajudar a fazer a lição de casa, brincar com seus pupilos (sim, brincar, dar boas risadas) e fazer as orações em conjunto. Se souber administrar bem o tempo tudo isso é possível!

Por isso, podemos dizer que as mães empreendedoras não têm uma dupla jornada e sim uma tripla, quádrupla e até mesmo uma quíntupla jornada! Ufa! Com a sua prática da fé contínua ela consegue manifestar energia vital e sabedoria evidenciando seu melhor estado de vida para ser feliz durante essa jornada. Sem dúvida, a recitação do Nam-myoho-renge-kyo permite atingir tal condição.

Podemos em dizer que aquela que exerce o papel de mãe é sempre uma empreendedora e aquela mulher que é empreendedora pode ser classificada como mãe, pois seu empreendimento também pode ser considerado como um filho que merece acompanhamento e direcionamento para conseguir alcançar os objetivos pretendidos.

Assim como as empreendedoras, as mães sabem trabalhar em equipe e têm metas e objetivos ao “administrar” seus familiares; está sempre em busca de oportunidades para si e para os outros, busca informações sobre o melhor curso, o melhor médico, a melhor alimentação. É comprometida com seus valores e princípios éticos; planeja e realiza monitoramento sistemático refletindo como foi seu dia e o de sua família, o que está faltando em seu trabalho ou em sua casa (família) e que aspectos precisam ser melhorados. Tudo isso sempre perseguindo a qualidade e a eficiência!

Além disso, ainda correm riscos, pois no poema A Sinfonia das Nobres e Grandiosas Mães de Daisaku Ikeda citou: “As mães arriscam a vida para nascermos”. Dessa forma, as mães empreendedoras não pensam somente em si, elas dialogam com as pessoas e com persuasão e redes de contatos permitem viabilizar qualquer projeto. Até mesmo fazer o filho comer aquele legume “escondido” no meio da comida, porque sabem que é importante para o crescimento dele. Elas têm visão social, incentivam outras pessoas, concretizam shakubuku, são agregadoras e persistentes. Muito persistentes!

A mãe empreendedora da Lei Mística compreende que a melhor herança que pode deixar para seus filhos é um excelente direcionamento na vida com base na prática da fé.

Uma mãe empreendedora inspira os demais. Um ditado japonês diz o seguinte: “Os filhos crescem vendo as costas dos pais”. Todos os esforços dessas preciosas "Mães do Kosen-Rufu" estão sendo observados por seus filhos. Os resultados produzidos com a prática contínua e a mudança individual (revolução humana) também são percebidos por aqueles ao seu redor. No mesmo poema há o trecho: “Mãe significa aquela que nunca é derrotada, é uma outra palavra para designar a pessoa que tem a garantia da vitória no final”.

É importante mencionar que o maior objetivo dos empreendedores é a realização pessoal. Portanto, concluímos que pode ser considerado como certo ao nos referirmos ao termo “mãe empreendedora”, visto que se aplica para todas aquelas que visam, na felicidade de si e dos outros, sua própria forma de realização pessoal empreendendo na grande empresa chamada vida diária!

Parabéns às grandiosas mães empreendedoras do Brasil e do planeta!

TAGS:EMPREENDEDORISMO,JUVENTUDE

• comentários •

;