"Quero ser a mudança do destino do país"
  • ENTREVISTA

"Quero ser a mudança do destino do país"

Cada desafio que Robson supera com a prática budista é vencido com alegria e sua vida é inspiração para as pessoas

Robson Viana tem 33 anos e nasceu numa família budista. Na RM Vila Maria, na Zona Norte de São Paulo e da qual faz parte, é conhecido pela sua determinação e seu bom-humor. Por isso, cada desafio que supera com a prática budista é vencido com alegria e sua vida é inspiração para as pessoas.


"Minha família e eu transformamos muitos aspectos com o budismo, mas sem sombra de dúvidas, transpor a doença foi uma grande vitória para mim", conta.


Recentemente, o jovem venceu a depressão. Ele conta que não foi tarefa fácil, mas com o apoio da família e dos amigos da organização mudou completamente a sua condição. Eu pergunto como percebeu que algo não estava bem e ele diz:


Passava uma situação delicada, estava totalmente estagnado na prática, não apresentava resultados concretos, no meu trabalho estava prestes a solicitar a minha demissão, mas não tinha coragem, pois arcava com diversos compromissos financeiros, entre eles, pagar o apartamento que havia adquirido com a minha noiva e ajudar a minha família, pois moro com meus pais.


Sentia uma tristeza profunda e solidão, algo inexplicável. Então em agosto de 2016 pedi demissão, acreditando que o motivo do sofrimento fosse o trabalho, nos primeiros dias aliviou, depois voltou pior, não queria fazer mais nada, dormia o dia inteiro e ficava acordado durante a noite inteira.


Eu me recordo que por diversas vezes a minha mãe entrava no meu quarto e dizia que não acreditava na situação que estava presenciando e me encorajava dizendo: “você é discípulo de Ikeda sensei e tem que vencer!”.


Robson durante o curso de aprimoramento dos 200 jovens no Japão (ago. 2017)

Quando decidiu dar o primeiro passo para a sua mudança pessoal?

O motivo da depressão foi que coloquei como ideal de vida o trabalho, portanto, sofri por isso, agora estou extremamente feliz pois o meu ideal de vida na prática é lutar pela felicidade das pessoas bradando pelos ideais do meu mestre aonde quer que eu esteja. Ninguém e nada me segura!


Quanto às medicações, hoje não tomo mais, foram apenas 30 dias tomando remédios, contrariando o diagnóstico da médica que propôs tratamento de um ano. Saí daquela situação e abri o meu próprio negócio que vem apresentando bons resultados. Além disso, consigo me dedicar de forma ferrenha ao kosen-rufu.


Durante essa batalha pessoal tive a oportunidade de participar de aproximadamente 34 visitas e pude contribuir para que 21 pessoas iniciassem a prática budista e a minha noiva, que pertence ao grupo Cerejeira, fez 12, tudo isso graças a depressão! Concretizamos 43 shakubuku em 49 dias; também alcançamos as 50 novas famílias felizes e vitoriosas no distrito em 29 de outubro de 2016.


Pouco tempo depois de concluir o objetivo da campanha Humanismo em Ação, ele recebeu a notícia de que participaria de um curso de aprimoramento da SGI no Japão – atividade tradicional na Soka Gakkai – junto com a Divisão dos Jovens da BSGI.


"Fui informado que teria de pagar a viagem na mesma semana que deveria quitar as dívidas do apartamento (quase posto em leilão). Mas, não criamos dúvidas! Nos desafiamos intensamente na recitação do daimoku e com a ajuda da minha noiva e principalmente dos meus pais e companheiros, conseguimos quitar as pendências financeiras e pagar a viagem para o tão sonhado Japão, bem como, em 2017 consegui conduzir mais 17 pessoas à pratica budista, totalizando 38 hakubuku. Vitória! Vitória! Vitória!


Robson é um dos 200 jovens, que no mês passado, visitaram a terra do sol nascente contagiando Tóquio e os arredores com alegria e paixão. Emocionado, ele relata como a viagem fez mudar seu coração e crescer o desejo de defender os ideais humanistas do presidente Ikeda – sua maior meta.


O que mudou em você depois da viagem ao Japão?

A certeza de qual caminho eu devo trilhar por toda a minha vida. Vou defender os ideias do Dr. Daisaku Ikeda. Tudo ficou claro em minha vida, sei como devo conduzi lá. Não tenho dúvidas, pelo contrário, estou muito mais confiante.


Sei quão importante é continuar lutando em prol das pessoas, sem recuar e principalmente sem me afastar da prática da fé.


E o que significa não se afastar da prática da fé?

Obter resultados concretos. Vencer na fé é demonstrar a veracidade da prática budista e o quanto ela é capaz de mudar a vida de uma única pessoa, de toda uma nação, tendo como principal objetivo a felicidade.


Como integrante da Divisão dos Jovens da BSGI você já deve ter ouvido bastante sobre ter um grande juramento. O que pensa sobre mantê-lo?

Obtive essa resposta na concretização da luta das 50 novas famílias [praticantes do budismo] felizes e vitoriosas. Não tem como escapar, não é?! [risos]


Quero compartilhar um incentivo do Dr. Ikeda que faz todo sentido para mim: “Para jamais trair a confiança [das pessoas], vocês devem cumprir todo o juramento feito na juventude durante a sua existência. Estarei observando se vocês cumprirão o juramento feito. É fácil prometer, mas o importante é agir e obter resultados concretos. (...) Uma pessoa íntegra é aquela que mantém a decisão inabalável” (Brasil Seikyo, ed. 2.352, 31 dez. 2016, p. A5).


A conclusão é simples: obter resultados concretos.


O que mais lhe marcou enquanto esteve no Japão?

O quanto o presidente Ikeda contribuiu de forma efetiva para mudança da sua localidade e do seu país, bem como, concretizou todos os sonhos do seu mestre.


Com isso, senti a presença de Ikeda sensei ao olhar e me encontrar com os membros da SGI, É impressionante o quanto eles conseguem transmitir a energia do Mestre!


De que forma aplicará o que aprendeu no curso de aprimoramento em sua vida?

O foco é fazer a minha revolução humana até que eu me torne um ser humano de extrema confiança e respeito na minha família, no meu trabalho e principalmente na sociedade (contribuindo para a mudança da minha localidade).


Eu me esforço para me tornar referência na sociedade como verdadeiro discípulo de Ikeda sensei. Isso porque compreendo a grandiosidade da minha missão e a importância de me tornar um grande líder humanista na sociedade, que luta em prol da paz, cultura e educação. Somente assim conseguirei contribuir com a mudança do destino do nosso país.


Robson resume que por manter a determinação transformou sua condição, refez os planos e conclui: "O budismo é maravilhoso, e em todos estes anos de prática, sinto que 2016 foi e 2017 e 2018 serão anos decisivos e importantes em minha vida, pois, estou recebendo treinamento de como ser vitorioso ao lado do meu mestre, Daisaku Ikeda".

TAGS:ENTREVISTA

Nota:

Robson de Souza Viana é empreendedor, tem 33 anos. Na BSGI é vice-responsável pela Divisão Masculina de Jovens da RM Vila Maria; vice-responsável pelo grupo Gajokai da Coordenadoria Norte de São Paulo. Pratica o budismo há 28 anos.

• comentários •

;