Uma visão budista sobre o futuro
  • JUVENTUDE

Uma visão budista sobre o futuro

Nós somos responsáveis por nosso próprio destino.

O medo do desconhecido e a incapacidade de prever eventos futuros assombra as pessoas desde o início dos tempos. Buscando meios para solucionar essa questão, foram desenvolvidas muitas técnicas de adivinhação como a astrologia, os biscoitos da sorte, a cartomancia, a leitura das mãos, o tarô entre outros. Na Antiguidade, as pessoas consultavam os oráculos sobre os assuntos que lhes eram vitais.

A preocupação com relação aos eventos que estão por vir está presente em todas as esferas da sociedade. O nascimento de uma criança leva os pais a pensarem e projetarem seu futuro. E, todo tipo de organização ou instituição sempre tem seu foco em metas que serão alcançadas a curto, médio e longo prazo.

Apesar da importância de se vislumbrar o futuro, há muitas pessoas que vivem em função do passado. Presas às lembranças, idealizam um tempo que nunca mais retornará. Ou ainda, reagem a ressentimentos passados, arrependimentos, relacionamentos mal-resolvidos e acabam justificando a infelicidade futura. Dessa forma, não conseguem experimentar a alegria de viver.

O Budismo de Nichiren Daishonin é focado no presente e no futuro e responde claramente algumas das questões que atormentam as pessoas: Como o futuro é determinado? Podemos mudar nosso destino?

A lei da causalidade ensina que a vida de uma pessoa é o resultado de ações boas ou más que ela praticou na forma de pensamentos, palavras ou ações nesta ou em existências anteriores. Essas ações geram o seu carma que fica gravado em sua vida e quando encontra o estímulo apropriado seu efeito se manifesta.

Por isso, no escrito Abertura dos Olhos, Nichiren Daishonin cita: "Se deseja compreender as causas do passado, observe os resultados que são manifestados no presente. E se deseja saber quais resultados serão manifestados no futuro, observe as causas do presente." 

Assim, as ações do passado exercem influência na vida presente, enquanto que as ações do presente formarão o futuro.

O carma, negativo ou positivo, não pode ser apagado da vida de uma pessoa e infalivelmente se manifestará em um determinado momento da existência. No entanto, o carma pode ser transformado ou amenizado por meio da prática do Budismo de Nichiren Daishonin.

O budismo conscientiza as pessoas de que elas são as responsáveis por seu próprio destino e que suas ações no presente é que moldarão seu futuro. Para capacitar todas as pessoas a transformar sua realidade atual, ou seja, os efeitos de suas más causas passadas, e construir um futuro repleto de boa sorte, Nichiren Daishonin inscreveu o Gohonzon, o supremo objeto de devoção, e revelou o Nam-myoho-rengue-kyo, a Lei fundamental do Universo.

O que determinará o futuro é a determinação de uma pessoa quando ela direciona suas orações ao Gohonzon. O presidente da SGI, Daisaku Ikeda, observou: "Uma forte determinação é a causa para um grande crescimento. Ter essa determinação é como plantar uma semente. Enquanto ainda é semente, ela é invisível aos outros. Mas, na época apropriada, ela brotará, fincará raízes e nascerão muitos galhos e folhas. E se tornará uma grande árvore. A 'semente' de uma determinação realmente profunda produzirá uma 'grande árvore' que será admirada durante muitos séculos pelas pessoas. Nós precisamos manifestar essa determinação agora, e não em alguma ocasião no futuro. O momento presente é a época para iniciarmos a nossa batalha."

Portanto, se uma pessoa realiza sinceramente sua prática da fé conforme o buda nos ensina, desfrutará seguramente de boa sorte e prosperidade no futuro.

Fonte:

Terceira Civilização, ed. 421, set. 2003, p. 03

Brasil Seikyo, ed. 1291, 1 out. 1994, p. 4
TAGS:JUVENTUDE

• comentários •

;